QUAIS OS BENEFÍCIOS EM SE CONSUMIR CACAU?

Dr. Vinícius Graton é Nutricionista e Especialista em Nutrição Clínica.
Dr. Vinícius Graton é Nutricionista e Especialista em Nutrição Clínica.

O cacau é considerado um dos alimentos funcionais mais importantes. O Cacau apareceu pela primeira vez na bacia amazônica, e crescer somente em climas úmidos, quentes e sombreadas. Os grãos de cacau são cultivadas principalmente na África, na Ásia e na América do Sul e central. Os Grãos de cacau são produzidas pela planta “Theobroma cacao“, que traduzido, significa “alimento dos deuses”. Isso é um bom nome para o cacau, tendo em conta os inúmeros benefícios para à saúde.

Os grãos de cacau são conhecidos por terem mais de 300 compostos saudáveis. Algumas delas incluem, feniletilamina, teobromina, e muitos polifenóis, como flavonóides. O cacau contêm também muitas vitaminas e minerais, Tais como o Potássio e Cobre, que ajudam a melhor a saúde cardiovascular, e Ferro, que transporta oxigênio através do corpo. O Cálcio e o Magnésio também é encontrado nas sementes de cacau, que são necessários para que todos os principais órgãos funcionem corretamente.

cacau vantagens display Cacau_2014modelo03 infochocolate

Você também gosta de doces e busca ter uma alimentação saudável?

Pesquisas comprovam que o consumo regular de chocolate amargo é capaz de prevenir o risco de doenças cardíacas, reduzir a pressão arterial e ainda reduzir o colesterol LDL. Além de aumentar os níveis de serotonina e endorfinas, associadas com a melhora do humor e da concentração. Esta é uma ótima notícia para você que gosta de doces e que busca ao mesmo tempo ter uma alimentação saudável. Os taninos encontramos no chocolate amargo são ainda capazes de impedirem a formação de cáries.

O chocolate contém antioxidantes chamados flavonoides, uma categoria de polifenóis capaz de prevenir o dano às células e reduzir o risco de câncer e outras doenças relacionadas a idade e doenças crônicas. Um estudo descobriu que o teor de polifenóis no chocolate é quatro vezes maior que a gordura encontrada no óleo de oliva, capaz então de controlar os níveis de colesterol LDL e colesterol total no sangue.

Texto: Dr. Vinícius Graton – Nutricionista. Agende já sua consulta em Uberlândia, Clínica Renova Cirurgia Plástica e Medicina. (34) 3255.1237 – 3231.8655 – 3237.4430

Estamos mapeando o DNA da grande estrela do chocolate, o cacau!

Uma notícia um tanto doce! Pesquisadores estão terminando o mapeamento do DNA do cacau, a grande estrela do chocolate. O projeto de mapear o genoma do cacau foi financiado pela fabricante de doces Mars Inc. A sequência planejada para durar apenas dois anos acabou sendo um projeto de cinco anos. Mars, fabricante do chocolate Snickers, M&Ms e balas dizem que os resultados poderão levar ao melhor desenvolvimento do cacau, tornando-se assim resistente a algumas doenças. A pesquisa terá um gasto de 10 milhões de dólares, sendo realizado em parceria com o Ministério da Agricultura dos Estudos Unidos.

Texto: Dr. Vinícius Graton Costa – Nutricionista.

As propriedades do cacau


O cacau é famoso principalmente pelo chocolate. Mas sua fama tem ganhado novos rumos nos útimos anos a partir de pesquisas científicas que apontam para os benefícios à saúde apresentados pela fruta.

Especialistas em Botânica acreditam que o cacaueiro seja uma planta originária da região das bacias amazônicas, onde crescia há milhares de anos. Entretanto, os primeiros registros do consumo de cacau foram na América Central pelos Maias e Astecas que utilizavam o cacau para o preparo de uma bebida de coloração escura e sabor amargo que levava em seu preparo pimenta e algumas especiarias e era chamada de xocolatl ou chocoatl (água amarga).

No século XVI com o início da conquista do México pelos espanhóis o chocolate passou a se difundir pela Europa onde perdeu a adição de pimenta e recebeu novos ingredientes como açúcar, canela e baunilha. As primeiras indústrias de chocolate surgiram na Espanha e a partir da Revolução Industrial a fabricação passou a ser mecanizada.

Em 1870 em Vevey – Suíça o chocolate que até então era composto apenas de cacau e açúcar ganhou um novo ingrediente e surgiu então o chocolate ao leite. O ingrediente básico do chocolate é o cacau e a adição em diferentes proporções de ingredientes como o açúcar e o leite dão origem a varios tipos de chocolate.

No Brasil os mais conhecidos são o chocolate ao leite, branco e meio amargo; já na Europa é muito consumido também o chocolate preto.

– Chocolate amargo – feito com os grãos de cacau torrados sem a adição de leite, e em geral é utilizado para o preparo de sobremesas e bolos.

– Chocolate preto – segundo as normas européias, deve conter no mínimo 35% de cacau.

– Chocolate ao leite – possui pelo menos 25% de cacau em sua composição e é adicionado de leite.

– Chocolate “couverture” (cobertura) – tem cerca de 40% de gordura em sua composição, muito utilizado na indústria.

– Chocolate branco – feito a base de manteiga de cacau, leite e açúcar.

O chocolate de uma forma geral possui alto teor de gordura, especialmente o chocolate branco que tem grande quantidade de manteiga e de cacau em sua composição, portanto devem ser consumidos com moderação. Mas apesar de sua fama de vilão devida ao seu alto valor calórico o chocolate produzido com cacau (puro) possui propriedades importantes.

O cacau é um alimento rico em flavonóides, que tem ação antioxidante, benéficos para a saúde cardiovascular, o que vem sendo comprovado por diversos estudos.

Um estudo realizado na Holanda e publicado o início de 2010 apontou mais uma propriedade do cacau: o consumo diário de 30 gramas de chocolate amargo (85% de cacau) resultou em aumento da saciedade e diminuição do apetite. Ou seja, o cacau pode revelar ainda mais uma propriedade: o controle do apetite e da saciedade!

Mas fique atento pois os benefícios do cacau não são encontrados em todos os tipos de chocolate e seu excesso também pode ser prejudicial à saúde. Veja o comparativo do valor nutricional dos diferentes tipos de chocolate em uma porção de 30 gramas: Chocolate ao leite –160 kcal

Chocolate meio amargo – 150 kcal
Chocolate branco – 165 kcal

Quanto ao teor de gorduras, uma boa opção é consumir o cacau in natura (quando houver disponibilidade) ou o cacau em pó. Este segundo, apresenta somente 10% de gorduras e 2% de açúcares e pode ser consumido em substituição ao achocolatado tradicional.

Texto: Vivian Zollar – Nutricionista
Fonte da matéria: Qualyfood

É possível um chocolate adiar envelhecimento e acabar com rugas?


Uma empresa suíça diz ter um chocolate que, consumido diariamente, ajuda a acabar com as rugas, graças às propriedades antioxidantes do cacau. Os médicos mostram-se cépticos e dizem que esta promessa pode levar a um consumo excessivo e prejudicial para a saúde saúde.

A Barry Callebaut, um dos maiores produtores de chocolates do mundo, acabou de lançar o Acticoa, um chocolate que, garante a empresa suíça, ajuda a acabar com as rugas e retarda o envelhecimento da pele com o consumo de apenas 20 gramas por dia. Os médicos portugueses mostram-se cépticos e até preocupados com a propaganda, que dizem ser enganadora: não há prova científica e esta promessa pode levar a algumas atitudes negativas na alimentação.

“O chocolate não tem qualquer influência na pele”, sublinha o dermatologista Carlos Resende. “Não recomendo o consumo de chocolate, muito menos para evitar o envelhecimento da pele”, indica ainda a nutricionista Florbela Mendes. “O cacau tem alguns benefícios, mas tirar as rugas é um exagero”, concorda o dermatologista António Picoto.

A chave do sucesso da fórmula anti-idade do novo chocolate, diz a Barry Callebaut, é o alto teor de cacau e a preservação dos seus antioxidantes naturais, os flavonóides, geralmente destruídos durante o processo de fabricação dos chocolates. “Os grãos do cacau contêm mais de 200 substâncias que são importantes para a saúde, como o flavonol, que tem poderes de preservação e efeitos positivos para o corpo e para a mente”, sublinhou ao DN Raphael Wermuth, porta-voz da Barry Callebaut, que enumera um conjunto de estudos para comprovar os efeitos positivos do Acticoa.

Uma das investigações é da Universidade de Medicina de Londres, publicada em Setembro de 2009: durante seis semanas, 30 pessoas saudáveis, com uma média de 50 anos, consumiram diariamente uma tablete de Acticoa. “O resultado foi uma hidratação e elasticidade da pele na ordem dos 21%”, garante.

Segundo o porta-voz, o consumo diário do novo chocolate protege a pele dos radicais livres e ajuda a amenizar os danos causados à pele pelo tabaco, poluição, cafeína e poucas horas de sono – factores que aceleram o envelhecimento da pele.

A nutricionista Florbela Mendes reconhece alguns benefícios ao chocolate, mas garante que “não faz milagres” e que esta propaganda “pode levar a um consumo exagerado e prejudicial”.
“Há outros alimentos mais saudáveis onde se pode ir buscar alguns antioxidantes, como aos frutos vermelhos”, aconselha (ver texto ao lado). “Não recomendo o consumo de chocolate nestas circunstâncias, sobretudo do chocolate branco ou o de leite, que contêm muita gordura e açúcares”, alerta ainda a nutricionista.

“Para que uma tablete de chocolate possa ter alguns benefícios, é preciso que a percentagem de cacau seja elevada”, sublinha o nutricionista clínico Rodrigo Abreu. Segundo o especialista, o melhor chocolate é o amargo, que contém no mínimo 70% de pasta de cacau. “Só este tem os efeitos benéficos dos antioxidantes”, assegura.
No entanto, segundo o especialista, “o facto de um alimento, tanto chocolate como sumo de fruta ou vinho, fornecer determinado nutriente não significa linearmente a obtenção dos benefícios proporcionados por esse nutriente. A saúde e bem-estar fazem-se no todo e não apenas por partes”.

A presidente do Cacau Clube de Portugal, Odete Estêvão, assina por baixo. “O chocolate faz bem à saúde e à pele, desde que inserido numa alimentação equilibrada, como eu faço”, garante a presidente, que come uma barrinha de chocolate todos os dias, assegurando parecer mais nova por causa disso.

“Mas só como chocolates de qualidade. Aliás, esse é o objectivo do clube, promover o cacau e o chocolate, mas apenas produtos bons”, explica.

As clínicas de estética também publicitam as máscaras de chocolate como muito benéficas para a pele: “O cacau ajuda a clarear, dando mais luminosidade, diminui os poros dilatados e melhora o tónus da pele”, assegura Daniela Pires, das Clínicas Praestigium.

Os dermatologistas, por outro lado, não se mostram nada convencidos. Alexandra Osório, da clínica DermAge, assegura que não é pelo chocolate que se evitam as rugas e Carlos Resende é ainda mais crítico: “Se são imputados alguns benefícios ao chocolate, não é para pele. Não há nada na sua composição que faça isso.”

“A maior protecção que podemos dar à pele é ter cuidado e afastá-la da exposição solar”, conclui o dermatologista António Picoto.

Esta matéria foi redirecionada do Diário de Notícias
http://dn.sapo.pt/Inicio/

Justificativas para o consumo exagerado de chocolate: verdadeiras ou falsas?

É fato que comer chocolate produz uma sensação de bem-estar incomparável com nenhum outro doce. Muitas vezes o alimento é visto como uma válvula de escape, um alívio, ou até uma compensação. Mas todas essas motivações são suficientes para o seu consumo exagerado?

“O chocolate é um alimento com alto teor de gordura e de alta densidade energética, sendo assim, deve ser consumido com muita moderação, especialmente se a intenção é manter uma dieta equilibrada. Se consumido em excesso, pode contribuir para o aumento do peso e para complicações cardiovasculares”, alerta a nutricionista e consultora do departamento de nutrição da Associação Brasileira para o Estudo da Obesidade (ABESO), Mariana Del Bosco.

Entretanto, alguns ingredientes do chocolate, especialmente do tipo amargo, podem ser destacados como benéficos. O bom chocolate, produzido com manteiga de cacau e contendo 60% de cacau sólido, no mínimo, é tão delicioso, forte e caro, que pequenas quantidades são suficientes para satisfazer a vontade de comê-lo. Na ponta da língua, ele derrete completamente.

Quanto maior o teor de cacau, maior a quantidade de flavonóides, como a catequina, por exemplo, que tem uma importante ação antioxidante e poder de combater os radicais livres. Dessa forma, previnem o envelhecimento e conferem proteção cardiovascular.

Uma teoria bem comum que justifica o consumo exagerado do chocolate diz que aumenta os níveis de serotonina, hormônio responsável por melhora no humor e sensação de bem-estar. Isso por que a ingestão de carboidratos aumentaria a quantidade de triptofano, precursor da substância no cérebro.

“A verdade é que carboidratos com alto índice glicêmico são mais propensos a promover a síntese da serotonina e de seus consequentes benefícios. Contudo, o chocolate contém proteínas e gorduras que reduzem seu índice glicêmico em relação aos outros doces”, explica Mariana. Ainda assim, o alimento é o mais associado à compulsão, não sendo possível substituir por qualquer outro alimento para cessar a vontade de ingeri-lo.

Chocaholic

Termo utilizado frequentemente, chocaholic, ou chocólatra, indica a necessidade de alguns indivíduos de consumir o chocolate ou algum alimento que tenha o produto em sua composição. O ideal, e até mesmo necessário, é permitir que estas pessoas incluam pequenas doses diárias ou estipulem uma frequência semanal para o consumo.

Diversos autores de pesquisas estimam que 40% das mulheres apresentam um comportamento chocaholic e, deste total, a grande maioria não satisfaz esta necessidade com qualquer outra substância que não seja o próprio chocolate.

“Acredita-se que o consumo de chocolate pelas mulheres possa ser modulado pelas flutuações hormonais. Na fase pré-menstrual, com a alteração nos níveis de estrógeno e progesterona, parece haver um maior consumo de doces e gorduras”, comenta a nutricionista.

Algumas evidências sugerem que os níveis de serotonina estão mais baixos no período que antecede a menstruação, o que levaria a maior busca de doces e alimentos palatáveis.

Referência(s)

– Associação Brasileira da Indústria de Chocolate, Cacau, Balas e Derivados – ABICAB. Disponível em http://www.abicab.org.br. Acessado em 12/04/2010.

– Associação Brasileira para o Estudo da Obesidade e da Síndrome Metabólica – ABESO. Disponível em http://www.abeso.org.br. Acessado em 09/04/2010.
Fonte: NUTRITOTAL – http://www.nutritotal.com.br

A Simbologia do Ovo de Páscoa

O ovo simboliza o nascimento, a vida que retorna. O costume de presentear as pessoas na época da Páscoa com ovos ornamentados e coloridos começou na antigüidade. Há vários séculos, os orientais preocupavam-se em embrulhar os ovos naturais com cascas de cebola, cozinhando-os com beterraba. Ao retirá-los do fogo, suas cascas ficavam com desenhos mosqueados. Os ovos eram dados de presente na Festa da Primavera.

O costume chegou ao Egito, e assim como os chineses, os egípcios distribuíam os ovos no início de cada nova estação. Depois da morte de Jesus Cristo, os cristãos consagraram esse hábito como lembrança da ressurreição e no século XVIII a Igreja adotou-o, oficialmente, como símbolo da Páscoa. Desde então, trocam-se ovos enfeitados no Domingo de Páscoa. O surgimento do ovo de chocolate, na Páscoa, deu-se a partir do século XVIII, em substituição aos ovos duros e pintados que eram dados de presente na época. Foi uma descoberta fabulosa dos confeiteiros franceses que inventaram esse modo atraente de apresentar o chocolate.

Prós e contras do chocolate
Pontos a favor
– Estudos identificaram a presença de flavonoides no cacau e em determinados chocolates. Segundo alguns autores, essas substâncias possuem efeitos antioxidantes protegendo as células do corpo contra a ação dos radicais livres.
– Um estudo publicado em 2001 pelo American Journal of Clinical Nutrition sugere que o consumo de chocolate pode modular a síntese de determinados hormônios capazes de favorecer a saúde cardiovascular.
– O chocolate possui vários compostos bioativos que, teoricamente, podem contribuir com o bem estar das pessoas.

Pontos contra
– Por ser rico em açúcar, pode favorecer as cáries dentárias
– É rico em calorias e gorduras
– Não apresenta quantidade significativa de vitaminas e minerais
– Tira o apetite para o consumo de alimentos mais saudáveis
– O consumo excessivo pode causar distúrbios gástricos e intestinais, como diarréia ou obstipação (de acordo com a sensibilidade de cada um)

Mito: Chocolate e acne

De acordo com a literatura não são os alimentos, mas sim os hormônios os principais responsáveis pela acne, pois podem provocar uma superprodução de óleo na pele, resultando na obstrução dos poros. Uma das melhores maneiras de diminuir a acne é lavar corretamente a pele. Os pesquisadores concordam que a dieta alimentar, incluindo chocolates, não causa acne.

TABELA DE CALORIAS – OVOS DE PÁSCOA

Produto
Quantidade
Kcal
OVO ALPINO NESTLÉ
30 gr
150Kcal
OVO ESPECIALIDADES NESTLÉ
30 gr
150Kcal
OVO GALAK NESTLÉ
30 gr
170Kcal
OVO PASCOA SENSACAO NESTLÉ
30 gr
160Kcal
OVO PRESTÍGIO NESTLÉ
30 gr
160Kcal
OVO LEITE MOÇA NESTLÉ
30 gr
160Kcal
OVO CHARGE NESTLÉ
30 gr
160Kcal
OVO LACTA AO LEITE
30 gr
160Kcal
OVO LACTA TRAKINAS
30 gr
160Kcal
OVO LACTA SONHO DE VALSA
30 gr
160Kcal
DIET
OVO ALPINO DIET NESTLÉ
30 gr
140Kcal
OVO CLASSIC DIET NESTLÉ
30 gr
140Kcal

QUEIME AS CALORIAS CONSUMIDAS COM EXERCÍCIO FÍSICO

Kcal consumidas
Exercícios para compensar
140 Kcal 20 min. caminhando na esteira (s/ carga) ou 35 min. andando de bicicleta
150 Kcal 25 min. jogando Boliche, 30 min. caminhando no Parque ou 15 min nadando costas.
160 Kcal 20 min. jogando futebol, 30 min. surfando ou 25 min. jogando Tênis
170 Kcal 20 min. jogando Basquete, 25 min. patinando ou 45 min. fazendo Ioga.

Fonte: RGNutri – www.rgnutri.com.br

As propriedades do cacau

O cacau é famoso principalmente pelo chocolate.

Mas sua fama tem ganhado novos rumos nos útimos anos a partir de pesquisas científicas que apontam para os benefícios à saúde apresentados pela fruta.

Especialistas em Botânica acreditam que o cacaueiro seja uma planta originária da região das bacias amazônicas, onde crescia há milhares de anos. Entretanto, os primeiros registros do consumo de cacau foram na América Central pelos Maias e Astecas que utilizavam o cacau para o preparo de uma bebida de coloração escura e sabor amargo que levava em seu preparo pimenta e algumas especiarias e era chamada de xocolatl ou chocoatl (água amarga). No século XVI com o início da conquista do México pelos espanhóis o chocolate passou a se difundir pela Europa onde perdeu a adição de pimenta e recebeu novos ingredientes como açúcar, canela e baunilha. As primeiras indústrias de chocolate surgiram na Espanha e a partir da Revolução Industrial a fabricação passou a ser mecanizada.

Em 1870 em Vevey – Suíça o chocolate que até então era composto apenas de cacau e açúcar ganhou um novo ingrediente e surgiu então o chocolate ao leite. O ingrediente básico do chocolate é o cacau e a adição em diferentes proporções de ingredientes como o açúcar e o leite dão origem a varios tipos de chocolate. No Brasil os mais conhecidos são o chocolate ao leite, branco e meio amargo; já na Europa é muito consumido também o chocolate preto.

– Chocolate amargo – feito com os grãos de cacau torrados sem a adição de leite, e em geral é utilizado para o preparo de sobremesas e bolos.

– Chocolate preto – segundo as normas européias, deve conter no mínimo 35% de cacau.

– Chocolate ao leite – possui pelo menos 25% de cacau em sua composição e é adicionado de leite.

– Chocolate “couverture” (cobertura) – tem cerca de 40% de gordura em sua composição, muito utilizado na indústria.

– Chocolate branco – feito a base de manteiga de cacau, leite e açúcar.

O chocolate de uma forma geral possui alto teor de gordura, especialmente o chocolate branco que tem grande quantidade de manteiga e de cacau em sua composição, portanto devem ser consumidos com moderação. Mas apesar de sua fama de vilão devida ao seu alto valor calórico o chocolate produzido com cacau (puro) possui propriedades importantes. O cacau é um alimento rico em flavonóides, que tem ação antioxidante, benéficos para a saúde cardiovascular, o que vem sendo comprovado por diversos estudos. Um estudo realizado na Holanda e publicado o início de 2010 apontou mais uma propriedade do cacau: o consumo diário de 30 gramas de chocolate amargo (85% de cacau) resultou em aumento da saciedade e diminuição do apetite. Ou seja, o cacau pode revelar ainda mais uma propriedade: o controle do apetite e da saciedade!

Mas fique atento pois os benefícios do cacau não são encontrados em todos os tipos de chocolate e seu excesso também pode ser prejudicial à saúde. Veja o comparativo do valor nutricional dos diferentes tipos de chocolate em uma porção de 30 gramas: Chocolate ao leite –160 kcal

Chocolate meio amargo – 150 kcal
Chocolate branco – 165 kcal

Quanto ao teor de gorduras, uma boa opção é consumir o cacau in natura (quando houver disponibilidade) ou o cacau em pó. Este segundo, apresenta somente 10% de gorduras e 2% de açúcares e pode ser consumido em substituição ao achocolatado tradicional.

Texto: Vivian Zollar – nutricionista – Fonte da matéria: Qualyfood

A ingestão de cacau é benéfica ao paciente diabético?

Sim. Alguns estudos comprovam que a ingestão de cacau pode melhorar a resistência à insulina em portadores de diabetes tipo 2. O fato é animador, visto que a resistência à este hormônio comumente diminuído ou ineficaz nos diabéticos traz agravos à saúde, como hipertensão, obesidade e dislipidemia.

O benefício é obtido a partir dos flavonóides, presentes em grande quantidade no cacau, e especificamente em procianidinas, que são uma classe de polifenóis. O chocolate amargo é o responsável pelos melhores resultados por conter maiores concentrações de flavonóides.

Os flavonóides aumentam a produção de oxido nítrico (ON), substância envolvida na via alternativa de captação da glicose para as células, independentemente da ação da insulina. Existem outras explicações sobre a ação do ON no metabolismo da insulina e da glicose, porém não estão completamente elucidadas na literatura.

Outro benefício do ON é a melhora da função endotelial, que ajuda a diminuir a pressão arterial por tratar-se de uma substância com propriedades vasodilatadoras.

Segundo alguns autores, estes efeitos benéficos do cacau foram evidenciados com a ingestão de 100 g por dia de chocolate amargo, durante quinze dias. Ainda faltam estudos na literatura sobre qual seria a melhor quantidade e tempo necessários para a ação do cacau. Sendo assim, antes de iniciar qualquer tratamento com o paciente diabético, é importante recorrer à orientação de um profissional.
Pergunta enviada pela leitora Elaine Pauli.

Bibliografia (s)

Fraga CG. Cocoa, diabetes, and hypertension: should we eat more chocolate? Am J Clin Nutr. 2005;81(3):541-2. Disponível em: http://www.ajcn.org/cgi/reprint/81/3/541. Acessado em: 16/02/2009.

Goodyear LJ, Kahn BB. Exercise, glucose transport and insulin sensitivity. Annu Rev Med. 1998;49:235-61. Disponível em:
http://arjournals.annualreviews.org/doi/abs/10.1146%2Fannurev.med.49.1.235. Acessado em: 19/02/2009.

Schaan BDA, Harzheim E, Gus I. Cardiac risk profile in diabetes mellitus and impaired fasting glucose. Rev Saúde Pública. 2004;38(4):529-36. Disponível em: http://www.scielosp.org/pdf/rsp/v38n4/en_21082.pdf. Acessado em: 19/02/2009.

Grassi D et al. Cocoa Reduces Blood Pressure and Insulin Resistance and Improves Endothelium-Dependent Vasodilation in Hypertensives. Hypertension. 2005;46(2):398-405. Disponível em: http://hyper.ahajournals.org/cgi/content/full/46/2/398 . Acessado em: 19/02/2009.

Faridi Z, Njike VY, Dutta S, Ali A, Katz DL. Acute dark chocolate and cocoa ingestion and endothelial function: a randomized controlled crossover trial. Am J Clin Nutr. 2008;88(1):58-63.

Carvalheira JBC, Saad MJA. Doenças associadas à resistência à insulina/hiperinsulinemia, não incluídas na síndrome metabólica. Arq Bras Endocrinol Metab. 2006;50(2):360-7. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/abem/v50n2/29319.pdf. Acessado em: 05/03/2009.
Autor(a):       Iara Waitzberg Lewinski
Fonte: NUTRITOTAL

 Notebook Dual Core T3400 4GB 320GB DVDRW 14″ Linux – CCE

Notebook CCE de alta performance, com 4 GB de memória para você não perder tempo e 320GB de HD para guardar todas as suas músicas, imagens e arquivos em geral. Ele possui um processador Dual Core que garante qualidade e tecnologia para seu uso profissional ou pessoal.

FICHA TÉCNICA
-Processador:
Intel Penuim Dual Core T3400
-Barramento: 667 MHz
-Memória RAM: 4GB
-Placa Mãe: ECS/UNIWILL
-HD: 320 GB
-Drives: DVD-RW
-Tela: 14.1 Resolção 1280×800
-Fax Modem: 56Kbps
-Rede: 10/100 Mbps
-Som: Realtek HD audio ALC 662
-Wireless: LAN 802.11 b/g
-Bluetooth: Não
-Vídeo: SIS M672
-Teclado: PADRÃO PORTUGUES
-Mouse: Tradicional com 2 botões
-Sistema Operacional: Satux Linux
-Voltagem: bivolt
-Cor: Prata. 

Ingestão de cacau melhora função cardíaca

Estudo comprovou que o consumo concentrado de cacau na forma sólida ou líquida possui efeitos benéficos para a função cardíaca de indivíduos saudáveis com sobrepeso. “Podemos dizer que os polifenóis do cacau, principalmente os flavonóides, são os responsáveis pela melhora da função endotelial, enquanto o açúcar atenua estes efeitos”, explicam os autores.

Trata-se de um estudo randomizado controlado publicado no American Journal of Clinical Nutrition, no qual participaram 44 adultos não fumantes, com idade média de 53 anos e índice de massa corporal entre 25 e 35 kg/m2. As medidas de circunferência de cintura eram >88 cm nas mulheres e >102 cm nos homens.

O experimento foi composto de duas partes. Na fase I, os participantes foram divididos ao acaso em dois grupos. Um grupo (estudo) recebeu uma barra de 74g de chocolate amargo contendo 22g de cacau e o outro grupo (placebo) recebeu uma barra de mesmo peso, porém contendo 0g de cacau. Na fase II, os mesmos participantes foram divididos em três grupos e cada um consumiu duas xícaras de chocolate quente. O primeiro grupo recebeu a bebida sem açúcar contendo 22g de cacau; o segundo, ingeriu a bebida com açúcar e a mesma quantidade de cacau e o terceiro (grupo placebo), uma bebida de aspecto similar, que não continha cacau. Houve um período de sete dias entre o término de uma fase e início da outra. A função endotelial dos participantes foi medida após 8h de jejum de um dia para o outro e 2h após cada tratamento, assim como a pressão sanguínea.

O consumo de uma dose de chocolate sólido foi suficiente para aumentar a vasodilatação e diminuir a pressão sanguínea. O mesmo foi observado em relação ao chocolate líquido, porém a bebida sem açúcar trouxe os melhores resultados e o chocolate quente açucarado não causou mudanças na pressão sanguínea. “Como a concentração de cacau era a mesma nas duas bebidas (22g de cacau contendo 3.282mg de polifenóis), os melhores efeitos do chocolate quente podem ser atribuídos à ausência do açúcar”, explicam os autores. E ainda, “a melhora da função endotelial observada após o consumo do cacau está relacionada com uma elevação da concentração de epicatecina no plasma, que aumenta a vasodilatação. Além disso, a procianidina (que está presente no cacau) aumenta a concentração de óxido nítrico no plasma, promovendo o relaxamento dos vasos”.

“Futuros experimentos são necessários para a determinação da influência a longo prazo do cacau na função cardiovascular, da dosagem da quantidade ideal a fim de se obterem os efeitos desejados e da variação destes resultados dentre diferentes populações”, sugerem.

Referência(s)

Fardini Z, Njike VY, Dutta S, Ali A, Katz DL. Acute dark chocolate and cocoa ingestion and endothelial function: a randomized controlled crossover trial. Am J Clin Nutr. 2008;88(1):58-63.

Imagens: