A Pipoca, é realmente saudável?

A pipoca é um dos salgadinhos mais saudáveis ​​e populares do mundo. É carregado com nutrientes importantes e oferece uma variedade de benefícios para a saúde. No entanto, às vezes é preparado com grandes quantidades de gordura, açúcar e sal, o que pode levar a excessos. Por esta razão, é muito importante preparar a sua pipoca da maneira certa. Pode ser super saudável ou muito insalubre, dependendo de como você o prepara!

O perigo do Alumínio quando em níveis altos em seu corpo

Absorver qualquer quantidade de alumínio é prejudicial. Mas a maneira como entra no seu corpo faz a diferença. Alumínio entra no seu corpo quando você respira, come ou bebe. Mas, dessa forma, só uma fração é absorvida, porque os seus pulmões, estômago e rins trabalham em conjunto para eliminar mais de 95% do alumínio ingerido. Entretanto, alumínio aplicado sobre a pele ou mesmo ingerido em excesso, pode alcançar níveis tóxicos…

As pesquisas médicas mostram, de forma cada vez mais precisa, o papel do alumínio como fator que desencadeia doenças auto-imunes ou como fator que acelera a degeneração do sistema nervoso (Alzheimer).
Decidi trazer o assunto à tona tendo em vista a experiência com o tratamento de alguns pacientes intoxicados pelo metal, os quais desenvolveram casos crônicos de problemas intestinais, como a síndrome do intestino irritável ou agravamento de hemorroidas, inchaço abdominal e má digestão, problemas de pele, dores nas articulações e musculaturas, queda de cabelo, perda de peso, cansaço, entre outros sintomas.

Nesses casos, eu Vinícius Graton solicito ao paciente a realização do exame de sangue (sorológico) de Alumínio, a fim de verificar a quantidade deste metal pesado no sangue. A partir dessa avaliação, propõem-se a desintoxicação através de tratamento homeopático, fitoterápicos, reeducação alimentar, ingestão de lactobacilos específicos, polivitamínicos com o objetivo de “remineralizar” o organismo para que o excesso de metais pesados possa ser expelido, assim como a exclusão de produtos e utensílios que contenham alumínio e que estejam sendo utilizados na rotina diária, substituindo-os por outras opções de fácil acesso.

Nos rótulos das embalagens o alumínio está intitulado como alumina ou aluminum. Atualmente, encontramos o alumínio nos seguintes produtos relacionados:

  • Pasta de dentes
  • Desodorante antitranspirante rol-on
  • Cosméticos (blush, sombra de olhos, batom, base, pó compacto, rímel, delineador de olhos, lápis de olhos e boca, hidratante para o corpo e rosto, entre outros…)
  • Esmaltes
  • Sabonetes líquidos e em barra
  • Medicamentos: em antiácidos, em cerca de 25 vacinas, em certos produtos de dessensibilização (no caso de alergia);
  • Utensílios de cozinha: panelas, frigideiras, formas de bolo e pão, talheres, etc … pois passam alumínio para os alimentos cozidos. Há também o risco de engolir alumínio ao raspar o fundo desses recipientes;
  • Embalagens de alimentos: latas de bebidas são perigosas se o produto for ácido (suco de frutas, refrigerantes…);
  • Papel de alumínio (evitar cozinhar peixe no forno, embrulhado nessas folhas, com suco de limão); embalagens “tetrapack” que, às vezes, pode conter alumínio em contato com o líquido;
  • Aditivos alimentares: anticoagulantes, endurecedores, fermentantes, emulsificantes, colorantes, acidulantes… Alguns são solúveis e podem atravessar a parede intestinal: E 520, 521,522, 523 e 541;
  • Água potável: produtos utilizados no tratamento da água contêm alumínio e, às vezes, a água da torneira também pode conter o metal.

A absorção excessiva de alumínio causa fibralgias (dores musculares generalizadas) e cansaço crônico. Geralmente isso aparece após os 40 anos, mas um número cada vez maior de jovens está sendo afetado. O excesso de alumínio no organismo também pode provocar: miofascite macrofágica, esclerose lateral amniotrófica, esclerose múltipla, poliartritre reumatóide, o mal de Parkinson, o mal de Alzheimer.

Em contrapartida, o mercado já nos possibilita consumir produtos que não contenham alumínio, basta estarmos atentos e lermos os rótulos das embalagens, ou ainda, optar por produtos orgânicos, inspecionados pela Ecocert ou Brasil Orgânico. Seguem algumas dicas em substituição à lista citada acima:

  • Pasta de dentes: Colgate Tripla-ação ou de Aloe Vera (Forever Living) e de marcas como Weleda
  • Desodorante rol-on: caseiros ou das marcar orgânicas abaixo: Biotherm, L’Occitane, entre outras já existentes no mercado.
  • Cosméticos, Sabonetes líquidos e em barra: Optar por produtos orgânicos ou receitados em farmácias de manipulação; algumas linhas da marca Panvel, Weleda, Natura Ekos também não contém o metal. Quanto aos sabonetes, em lojas de produtos naturais você pode encontrar os que são feitos artesanalmente, com ervas, óleos essenciais, óleos vegetais naturais de coco, babaçu, palma, macadâmia, entre outros.
  • Esmaltes: Risqué e Impala
  • Medicamentos: Preferir produtos antialérgicos naturais, que fortaleçam e estimulem o sistema imunológico como o Própolis (extrato de própolis concentrado ou Própolis Verde – provindo do Alecrim), a Apitoxina, o Pólen, a Geléia Real e derivados: Marca Veromed.
  • Utensílios de cozinha: Utilizar panelas de inox, ágata ou louça, utensílios de vidro e inox.
  • Embalagens de alimentos: Optar por sucos em garrafas de vidro, embalagens recicláveis e orgânicas, evitando alimentos e sucos também enlatados.
  • Aditivos alimentares: Procurar ler o rótulo das embalagens, preferindo aqueles que não contenham esses aditivos, geralmente acrescentados para conservar por mais tempo, dar mais sabor, tornar o alimento mais palatável, colorido e crocante artificialmente. Costumam causar alergias e, à longo prazo, podem ser cancerígenos. Hoje, pela demanda e desejo dos consumidores em ter uma vida mais saudável, as indústrias estão se adaptando e passando a usar, em alguns produtos, conservantes e colorantes naturais.
  • Água potável: Procure ingerir água mineral ou filtrada a partir de carvão vegetal, tanto para o cozimento de alimentos ou preparo de bebidas como chimarrão, café, chá, sucos, vitaminas, utilizando a água de torneira para outros fins que não sejam a ingestão diária

E aqui, algumas opções para o preparo de desodorante caseiro, com bons resultados. Importante salientar que, para aqueles que transpiram muito, o tempo de atuação de um desodorante caseiro pode ser pequeno, devendo ser aplicado mais vezes ao dia, após a higiene das axilas.

Bicarbonato de sódio e água: Misture a metade de uma colher de chá de bicarbonato de sódio com um pouco de água e aplique na área das axilas. O bicarbonato de sódio pode neutralizar as bactérias que causam odor.
Uma aplicação pode durar até 24 horas. Segundo pesquisas, este método foi comprovado no calor do nordeste brasileiro.

Leite de magnésia com óleos essenciais: Proporcionará proteção graças à ação purificante dos óleos essenciais. Tente encontrar aqueles que são feitos à base de óleos essenciais naturais de plantas, podendo também pode fazê-los em casa. Basta misturar de 8 a 10 gts do seu óleo essencial favorito (preferência à lavanda, alfazema e palmarosa, para evitar irritação das mucosas) em um frasco de desodorante rol-on vazio, acrescentando o leite de magnésia. Fechar o recipiente misturando bem o óleo sempre antes de usar. Pode ser usado também após a depilação.

Outra opção: álcool de cereais com óleos essenciais: Misturar de 8 a 10 gts do seu óleo essencial favorito e acrescentar o álcool, colocando a mistura em um frasco de perfume de mais ou menos 110ml, e usá-lo como um spray.
Se desejar, pode usar mais de um óleo essencial na mesma fórmula.

Alguns dos mais populares antitranspirantes naturais no mercado também usam cera de abelha derretida e manteiga de cacau nos produtos tipo stick. Estes são suaves sobre a pele e podem mascarar o odor do corpo durante um dia inteiro. No Brasil, o mercado vem crescendo quanto aos produtos orgânicos e naturais, mas ainda assim, em outros países, a variedade é maior e o preço mais acessível, mas nada que não possa ser solucionado com um pouco de paciência e pró-atividade! Ficam as dicas! Informação é luz, consciência e despertar!

saiba tudo sobre o kombucha

kombucha, a bebida que a cada dia ganha mais adeptos

Kombucha é uma bebida probiótica, produzida a partir da fermentação de chá (preto ou verde), açúcar cristal orgânico e a cultura de leveduras e bactérias, cujo resultado final é uma bebida naturalmente frisante, saborosa e muito refrescante, que promove a saúde intestinal, e fortalece o sistema imunológico.

Originada na China Antiga, há cerca de 2 mil anos atrás, o kombucha sempre foi conhecido como um medicamento natural, de ação anti-inflamatória, cujo principal objetivo era tratar doenças.

A partir das décadas de 1960 e 1970 a bebida conquistou o mundo depois de agradar o paladar dos hippies e naturalistas, que foram os responsáveis em difundir o uso do chá fermentado por todos os lugares.

Nos últimos dois anos, o mercado de kombucha vem crescendo em velocidade meteórica, o que é muito bom para a saúde da população.

kombucha: como fazer?

O Kombucha é feito a partir da infusão do chá preto ou verde orgânico, adoçado com açúcar cristal ou demerara, também orgânico.

Depois do chá adoçado e frio, é adicionado a colônia de leveduras e bactérias, chamada de Kombucha mãe ou SCOBY (Symbiotic Culture Of Bacteria and Yeast) e uma quantidade (cerca de 10% do volume total do chá adoçado) de kombucha pronta, que é o chá já fermentado.

Após estas etapas o Kombucha passará pela primeira fermentação que pode variar entre 7 e 21 dias. Após este processo, o chá fermentado será saborizado e envasado para a segunda fermentação, que dura de 2 a 5 dias.

Depois da segunda fermentação a Kombucha deve ser refrigerada (para bloquear o processo de fermentação e evitar que o recipiente se rompa) e já poderá ser consumido.

quais os benefícios do kombucha?

Na China Antiga ele era consumido como uma “espécie de remédio”, portanto, a lista de benefícios é enorme.

No processo de fermentação a cultura se alimenta do açúcar, em troca, ela produz uma série de substâncias valiosas para se formar a bebida. Dentre elas destacamos ácido glucurônico, ácido acético, ácido láctico, ácido glucônico, glucosaminas, vitaminas, enzimas, aminoácidos e algumas substâncias antibióticas. Os benefícios trazidos por estas substâncias são:

  • Desintoxicante: por se liga as toxinas eliminando-as pela urina;
  • Antimicrobiano;
  • Auxilia no processo do emagrecimento porque regular o apetite;
  • Combate a bactéria H. pylori, umas das grandes causas de gastrite;
  • Preveni infecções e regula o transito intestinal, por combater bactérias e fungos causadores de doenças intestinais;
  • Combate o envelhecimento precoce por ser rico em antioxidantes;
  • Auxilia no processo da digestão pela presença de enzimas.

Lembrando que o kombucha não é um remédio, assim, para obter os benefícios importante associar o consumo à hábitos de vida saudáveis e equilibrados.

aprendendo a fazer o seu kombucha

Para iniciar a produção do Kombucha, é preciso ter a colônia de leveduras e bactérias, e uma quantidade inicial do chá já fermentado. O processo consiste em duas etapas de fermentação para então o seu Kombucha estar pronto para ser consumido.

mas antes de te explicar como produzir seu kombucha, vamos dar nomes aos principais ingredientes

A colônia de leveduras e bactérias SCOBY, nada mais é que o aglomerado destes microrganismos em uma massa de celulose, parecida com uma panqueca, e que é a responsável por fazer a primeira fermentação no processo de produção.

Esta comunidade tem diversos nomes e é chamada também de Kombucha mãe. O SCOBY deve ser mantido em uma quantidade de chá já fermentado, chamado de starter, em local fresco e escuro até ser utilizado na produção do Kombucha.

Geralmente, o SCOBY e o starter são doados por alguém que já produz Kombucha, pois, a cada fermentação, a colônia se multiplica e dá origem a uma nova Kombucha mãe. Mas existem locais que vedem o SCOBY com o chá já fermentado para você iniciar a sua produção.

vamos aos ingredientes do kombucha

Para produzir seu Kombucha você vai precisar de:

  • 5g chá verde ou preto orgânico;
  • 1 litro de água;
  • 1 SCOBY;
  • 100 ml do starter;
  • 50g açúcar cristal ou demerara orgânico;
  • Um vidro grande que comporte 2 ou 3L;
  • Barbante;
  • Voal (tecido) ou perfex para tampar;
  • 1 garrafa pet de pelo menos 1 litro.

fazendo o chá para a primeira fermentação

Primeiramente você vai fazer o chá na proporção de 5g de erva para 1L de água fervente e vai deixar em infusão por no mínimo 5 minutos;

No vidro grande você vai colocar o açúcar na proporção de 50g para cada litro de chá já coado e vai mexer até o açúcar ficam todo diluído;

Depois que o chá adoçado estiver frio, adicione o SCOBY e o starter, feche a boca do vidro com o voal e prenda o tecido no vidro com o barbante;

Pronto! Agora o seu Kombucha está pronto para a primeira fermentação. Ele deverá ser armazenado por um período de 7 a 21 dias, em um local limpo, escuro e longe de qualquer risco de contaminação. Quanto mais tempo ficar nessa primeira fermentação, menos doce será o resultado final. É importante cuidar para que seu Kombucha não vire vinagre, portanto, experimente e avalie seu sabor após o sétimo dia.

depois desta etapa ele está pronto para iniciar o processo da segunda fermentação

Antes de saborizar seu Kombucha, é importante separar de 200 a 300ml do chá fermentado para cada SCOBY (cada processo de fermentação gera um novo SCOBY), e reservar para a sua próxima produção ou para você doar.

O chá fermentado restante deverá ser coado e em seguida poderá ser saborizado, caso seja de seu interesse. Para saborizar você poderá utilizar suco natural ou integral orgânico ou outros tipos de chá.

Será necessário 10% do volume total do chá fermentado, ou seja, se você tiver 2L de chá fermentado irá acrescentar 200ml de suco ou chá para saborizar seu Kombucha.

hora da segunda fermentação

Agora é só envasar e aguardar a segunda fermentação, que durar de 2 a 5 dias, e refrigerar para ser consumido. Para envasar você pode reaproveitar garrafas pet de água. Lembre-se de fechar bem a garrafa para não haver escape de gás. Será nessa segunda fermentação que seu Kombucha irá gaseificar de forma natural.

Para saber se ele já fermentou o suficiente, pressione levemente a garrafa, quando ela estiver bem rígida indica que já está com gás suficiente e pode ser refrigerado.

Pronto! Agora curta o momento, deguste seu Kombucha e aproveite de todos os seus benefícios!

como tomar o kombucha?

Não existe uma regra na forma de consumir o Kombucha. Algumas pessoas se sentem bem ao consumir a bebida ainda em jejum, outras preferem tomar após o almoço, e há quem goste de beber antes de dormir. Mas se você sofre de insônia, ou é hipersensível aos efeitos da cafeína, prefira consumir até o início da tarde, pois os chás verde e preto são ricos em cafeína e podem interferir na qualidade do seu sono.

Comece ingerindo uma pequena quantidade, avalie os efeitos no seu corpo e aumente o volume gradativamente. Você será seu termômetro. Lembre-se que tudo em excesso é prejudicial, portanto, consuma com moderação.

Avalie como ficará o funcionamento do seu intestino. No começo o Kombucha pode causar desconforto abdominal e aumentar a frequência nas evacuações. Mas não se assuste, este efeito é normal, pois o Kombucha irá restaurar a sua microbiota intestinal, eliminando as bactérias patogênicas.

Texto Fonte: https://www.natue.com.br/

receita de dadinho de proteína

O dadinho proteico é um doce à base de amendoim e Whey Protein, fonte de gorduras boas e proteínas ao organismo. Uma ótima opção para substituir os doces convencionais, já que possui um maior valor nutricional e não leva adição de açúcares na receita.

Contém Whey Protein, uma proteína extraída do soro do leite, que contém todos os aminoácidos essenciais (inclusive BCAA) ao organismo e auxilia no ganho de força e de massa muscular. O amendoim também fornece proteínas, possui vitamina E e ácidos graxos essenciais ao organismo.

como fazer dadinho proteico:
INGREDIENTES

• 1 xícara de chá de amendoins torrados;
• ½ xícara de chá de Whey Protein sabor baunilha;
• 1 colher de sopa de chia;
• 100g de chocolate 70% cacau.

MODO DE PREPARO

1 Bata os amendoins em um liquidificador, pulsando aos poucos para formar uma farofa úmida;
2 Adicione o Whey Protein e a chia ;
3 Pulse por mais alguns instantes até que a massa fique homogênea, sem esfarelar na mão;
4 Molde os dadinhos e leve à geladeira por 30 minutos;
5 Derreta o chocolate 70% e use-o para cobrir os dadinhos.
dica:
O dadinho proteico pode ser consumido como sobremesa, lanches no intervalo entre as refeições e até mesmo no pré ou pós treino.

Receita: Quibe de Abóbora

quibe de abóbora é uma preparação sem glúten e tem alto valor nutricional. Tem como ingrediente principal a abóbora, fonte de sais minerais, beta caroteno, potássio, vitaminas A e C, fibras alimentares e compostos fenólicos que atuam combatendo os radicais livres..

A quinoa tem alto valor nutricional, é fonte de vitaminas e minerais, como cálcio, fósforo, magnésio e ferro. É um dos únicos alimentos que fornece todos os aminoácidos essenciais para o nosso organismo.

como fazer quibe de abóbora:

INGREDIENTES

• 400g de abóbora japonesa;
• 1 dente de alho;
• ½ Cebola picada;
• 2 colheres de sopa de azeite extra virgem;
• Pimenta do reino a gosto;
• 4 colheres de sopa de quinoa;
• 250 de colheres de sopa de queijo tipo cottage.

MODO DE PREPARO

1 Em uma panela grande, acrescente a abóbora cortada em cubos pequenos, o sal, cebola, alho e a pimenta do reino e deixe cozinhar em fogo baixo;
2 Quando a abóbora já estiver bem cozida, acrescente a quinoa, mexa bem e reserve;
3 Em uma outra panela, refogue os cogumelos com o azeite de oliva e a pimenta do reino;
4 Em um recipiente, adicione uma camada de abóbora;
5 Logo após, coloque uma camada de queijo cottage e de cogumelo e acrescente a outra camada de abóbora;
6 Leve ao forno a 180° por 60 minutos;
7 Sirva.
dica:
A quinoa pode ser substituída por outra semente, como a chia;
Após fazer a massa, você pode utilizar ervas ou as próprias sementes da abóbora parar decorar a preparação.

O que é o GLÚTEN?

O glúten é um tipo de proteína encontrado em certos grãos, como centeio, trigo e cevada.

Para a maioria das pessoas, a digestão do glúten não é um problema.

No entanto, para aqueles que são sensíveis ao glúten , a ingestão de alimentos que contenham essa proteína pode causar sintomas como inchaço, gases e fadiga ( 1 ).

Além disso, o consumo de glúten pode desencadear uma resposta imune em pessoas com doença celíaca, fazendo com que seu sistema imunológico ataque células saudáveis ​​em seu corpo ( 2 ).

Isso pode levar a sérios efeitos colaterais, como perda de peso não intencional, diarréia e deficiências nutricionais ( 3 ).

Para aqueles com doença celíaca ou sensibilidade ao glúten, a seleção de substitutos sem glúten para trigo, cevada e centeio pode minimizar os sintomas e ajudar a manter a saúde geral.

CREATINA – Protocolo Fase de Carregamento

Protocolo Creatina

A creatina é um dos suplementos mais utilizados no mundo atlético – e por boas razões ( 1 ).

Este composto é armazenado em seus músculos e usado para rápidas explosões de energia.

Os suplementos de creatina podem aumentar a força e os músculos, melhorar o desempenho de exercícios de alta intensidade e prevenir lesões relacionadas ao esporte ( 1 , 2 ).

A pesquisa sugere que uma fase de carga de creatina pode aumentar rapidamente suas reservas de creatina, permitindo que você obtenha os benefícios mais rapidamente.

Este artigo examina os benefícios e efeitos colaterais da fase de carregamento de creatina.

O que comer em uma dieta de gastrite

O que comer em uma dieta de gastrite

Existem alguns alimentos que podem ajudar a gerenciar sua gastrite e diminuir os sintomas. Esses incluem:

  • alimentos ricos em fibras, como maçãs, aveia, brócolis, cenoura e feijão
  • alimentos com baixo teor de gordura, como peixe, frango e peito de peru
  • alimentos com baixa acidez, ou são mais alcalinos, como vegetais
  • bebidas que não são carbonatadas
  • bebidas sem cafeína
  • probióticos como kombucha , iogurte rico em probiótico

Alguns estudos mostram que os probióticos podem ajudar com o Helicobacter pylori ( H. pylori). O H. pylori é uma bactéria que causa uma infecção no sistema digestivo que pode levar à gastrite ou úlceras estomacais.

Alimentos a evitar em uma dieta de gastrite

Alimentos ricos em gordura podem piorar a inflamação no revestimento do estômago. Alguns outros alimentos a evitar, porque eles podem irritar o estômago são:

  • álcool
  • café
  • alimentos ácidos como tomates e algumas frutas
  • suco de fruta
  • comidas gordurosas
  • comidas fritas
  • bebidas carbonatadas
  • alimentos picantes
  • alimentos alergênicos ou sintomáticos

 

Danos no revestimento do estômago
Esse dano pode ser causado por alguns dos seguintes itens:

  • consumir álcool e várias drogas
  • aspirina e analgésicos como AINEs
  • engolir uma substância corrosiva
  • infecções bacterianas ou virais
  • tratamentos radioativos para o abdome superior ou parte inferior do tórax
  • cirurgia para remover parte do estômago

 

Uma infecção causada por Helicobacter pylori ( H. pylori )
Esta bactéria é aquela que causa infecção . H. pylori é a causa mais comum de gastrite. E é mais comum em países menos desenvolvidos. Geralmente começa quando você é criança, embora os sintomas não apareçam até você se tornar adulto.

 

GASTRITE CORTE

Melhores barras de proteína disponíveis no mercado

ScreenClip.png

Confira as avaliações sobre cada produto

Elite Protein Bar, da Dymatize. “Experimentei a barra sabor Chocolate Chip Cookie Dough. O produto tem 50% de proteína, 32% de fibras, 9% de carboidratos, 260 calorias e é gluten free. O sabor do chocolate é bem marcante, e a presença de whey protein parece equilibrada. Muito boa”.

My Cookie, da Prosupps. “Experimentei o cookie sabor Chocolate Chip. O produto tem 36% de proteína, 290 calorias, 12% de carboidratos, 17% de sódio e é gluten free. É uma barra de proteínas redonda. Não tem textura de biscoito, mas é boa. Deu vontade de experimentar quentinho”.

Whey Bar, da Probiótica. “Experimentei o sabor Cookies & Cream. O produto tem 144 calorias, 5% de carboidratos, 21% de proteína. Contém glúten e derivados de leite. O sabor é bem suave, e o final tem um leve amargor. Básica”.

Exceed Proteinbar Low Gi. “Experimentei o sabor Paçoca. O produto não tem adição de açúcar e possui 16% de proteína, baixo índice glicêmico, 132 calorias e 4% de carboidratos. É gluten free. A ausência de açúcar não é um problema, porém o sabor tem um toque mais amanteigado que as outras opções do mercado”.

Power, da B-on. “Experimentei a barra sabor Espirulina com Cacau. O produto tem 20% de proteína, 14% de fibras, 4% de carboidratos, 180 calorias e é gluten free. Contém espirulina, cacau e nibs de cacau. O sabor é extremamente artificial e chega a ser agressivo, em certos momentos lembra o sabor de um uísque ruim. Não foi possível comer mais que meia mordida.”.

Protein, da FitJoy. “Experimentei a barra sabor Chocolate Chip Cookie Dough. O produto tem 40% de proteína, 8% de carboidratos, 220 calorias e não usa ingredientes geneticamente manipulados. Sua textura é massuda, o sabor não lembra muito o de massa de biscoito, e há um retrogosto presente de adoçante artificial. Não chega a ser agressiva, mas não é saborosa”.

VO2, da Integral Medica. “Experimentei a barra sabor Chocolate. O produto tem 11% de proteína, 4% de fibras, 5% de carboidratos, 126 calorias e é gluten free. O sabor do chocolate é bem marcante, mas um pouco artificial, e a presença de whey protein parece equilibrada. Muito boa”.

Cake Bites, da ON. “Experimentei a barra sabor Birthday Cake. O produto tem 40% de proteína, 9% de carboidratos e 240 calorias. Não lembra bolo de aniversário, mas é saborosa e bem doce, apesar de não ser muito calórica quando comparada às concorrentes. Saborosa e mata a vontade de comer doce.”.

ONE, da OhYeah!. “Experimentei a barra sabor Chocolate Chip Cookie Dough. O produto tem 42% de proteína, 8% de carboidratos, 210 calorias e é gluten free. O sabor e a textura lembram bastante as massas cruas de cookies, mas com baixo teor de carboidratos e altíssima quantidade de proteínas. Muito boa, uma das melhores no mercado”.

Quais os benefícios do INOSITOL comprovados pela ciência?

Inositol é um carboidrato encontrado em seu corpo, assim como em suplementos alimentares e dietéticos. Existem várias formas desta molécula, e cada uma delas tem uma estrutura química semelhante ao açúcar principal encontrado no sangue – glicose.

O inositol desempenha um papel em muitos processos corporais. Portanto, tem sido estudado por seus potenciais benefícios para a saúde. Os suplementos de inositol podem ajudar a tratar condições médicas específicas, incluindo alguns distúrbios de ansiedade e fertilidade. Eles também podem ter outros efeitos promotores da saúde.

calm-chinese-woman-doing-yoga_n1t5up7ze__F0000.png

1. Pode Reduzir a Ansiedade Afetando Serotonina

O inositol afeta os processos que formam os neurotransmissores, as moléculas responsáveis ​​pela transmissão de informações dentro do cérebro ( 1 ).

A serotonina é um importante neurotransmissor afetado pelo inositol. Essa molécula tem muitos papéis em seu corpo e afeta seu comportamento e humor ( 2 ).

Os pesquisadores examinaram se os suplementos de inositol podem melhorar os sintomas associados às condições que afetam a serotonina e o cérebro.

Isso inclui transtornos de ansiedade , como transtorno do pânico, transtorno obsessivo-compulsivo (TOC) e transtorno de estresse pós-traumático (TEPT).

Vários estudos demonstraram que o inositol pode reduzir o número de ataques de pânico em pessoas com transtornos do pânico ( 3 , 4 ).

Um estudo em 20 pessoas com transtornos do pânico descobriu que 18 gramas de inositol por dia reduziam o número de ataques de pânico semanais em 4 – mais do que a redução de 2,4 por semana observada em indivíduos sob medicação ansiosa ( 4 ).

Outro estudo em pessoas com TOC descobriu que 18 gramas de inositol por dia melhoraram os sintomas melhor do que um placebo ( 5 ).

No entanto, a pequena quantidade de pesquisa que examinou o inositol e o TEPT não demonstrou nenhum benefício ( 6 ).

De fato, alguns pesquisadores questionam se o inositol é eficaz no tratamento de qualquer um desses transtornos de ansiedade ( 7 ).

No geral, o inositol pode ter benefícios para certos tipos de transtornos de ansiedade, mas mais estudos são necessários para determinar esses efeitos.

RESUMO: Inositol pode afetar os neurotransmissores no cérebro, incluindo a serotonina. Altas doses podem ser benéficas para o tratamento de algumas formas de transtornos de ansiedade, como os transtornos do pânico. No entanto, resultados mistos foram relatados e mais pesquisas são necessárias.

a-close-up-of-a-male-finger-with-blood-drip-on-diabetic-test-strip-16x9.jpg

2. Pode auxiliar o controle do açúcar no sangue melhorando a sensibilidade à insulina

A insulina é um hormônio que é extremamente importante para controlar os níveis de açúcar no sangue em seu corpo.

A resistência à insulina , um problema com a capacidade do organismo de responder à insulina, é considerada um dos principais fatores associados a condições como a síndrome metabólica ( 8 ).

O inositol pode ser usado para produzir moléculas que estão envolvidas na ação da insulina em suas células ( 9 ).

Portanto, o inositol tem sido explorado por seu potencial para melhorar a sensibilidade do corpo à insulina – reduzindo assim a resistência à insulina.

Um estudo de seis meses em 80 mulheres na pós-menopausa com síndrome metabólica constatou que 4 gramas por dia de inositol melhorou a sensibilidade à insulina, a pressão arterial e os níveis de colesterol mais do que um placebo ( 10 ).

Outras pesquisas em mulheres com diabetes gestacional também mostraram benefícios do inositol para a sensibilidade à insulina e controle do açúcar no sangue ( 11 ).

Além disso, o inositol pode melhorar a ação da insulina em mulheres com síndrome dos ovários policísticos (SOP), embora os resultados sejam mistos ( 12 , 13 , 14 ).

RESUMO: Inositol desempenha um papel na sinalização da insulina e pode melhorar a sensibilidade do organismo à insulina em alguns casos. Benefícios foram observados em indivíduos com síndrome metabólica, mulheres com risco de diabetes gestacional e mulheres com SOP.

cropped-Woman-Be-Web.jpg

3. Pode melhorar a fertilidade em mulheres com SOP

SOP é uma síndrome que ocorre quando o corpo de uma mulher produz quantidades anormalmente elevadas de certos hormônios.

Mulheres com SOP apresentam maior risco de várias doenças e podem apresentar problemas de infertilidade ( 15 ).

Problemas com a sensibilidade à insulina podem ser uma das causas da redução da fertilidade em mulheres com SOP. Como o inositol pode melhorar a sensibilidade à insulina, tem sido estudado como um potencial tratamento ( 14 ).

Estudos descobriram que o inositol pode ser benéfico para melhorar a função dos ovários e fertilidade em mulheres com SOP ( 16 , 17 , 18 ).

Esses estudos usaram tipicamente doses de 2 a 4 gramas por dia e os benefícios foram observados em mulheres com peso normal, com sobrepeso e obesas.

No geral, pesquisas descobriram que os suplementos de inositol podem melhorar a regularidade do ciclo menstrual, as taxas de ovulação e gravidez em mulheres com SOP ( 19 , 20 , 21 ).

RESUMO: Inositol é um composto promissor para melhorar vários aspectos da função reprodutiva em mulheres com SOP, incluindo a regularidade do ciclo menstrual, a ovulação e a fertilidade. Doses para esses fins são tipicamente 2-4 gramas por dia.

Depression_APStock72622943-1024x576.jpg

4. Pode reduzir os sintomas da depressão

Devido aos seus efeitos sobre os neurotransmissores no cérebro, o inositol tem sido explorado como um tratamento para a depressão.

Algumas pesquisas mostraram que 12 gramas de inositol por dia, administrados por quatro semanas, podem reduzir os sintomas de depressão em relação a um placebo ( 22 ).

Outro pequeno estudo relatou que 6 gramas por dia melhoraram a depressão em 9 de 11 participantes ( 23 ).

No entanto, outra pesquisa mostrou que a adição de inositol ao medicamento padrão para depressão não melhora mais os sintomas do que a medicação isolada ( 24 ).

Além disso, o inositol não se mostrou eficaz na redução da depressão naqueles que anteriormente não respondiam à medicação padrão ( 25 ).

RESUMO: Embora algumas pesquisas tenham mostrado reduções na depressão com o inositol, os resultados são mistos. O inositol pode não melhorar os sintomas daqueles que tomam medicamentos ou daqueles que não respondem à medicação padrão.

5. Bom registro de segurança, com poucos efeitos colaterais

Inositol é encontrado naturalmente em seu corpo e em uma variedade de alimentos.

A quantidade obtida dos alimentos pode variar de menos de 1 grama até vários gramas, dependendo da composição de sua dieta ( 26 ).

Mesmo quando administrado como suplemento dietético, tem um histórico de segurança muito bom.

Em estudos de pesquisa, as doses variaram de cerca de 2 a 18 gramas por dia ( 4 , 13 ).

Em doses mais altas de 12-18 gramas, alguns efeitos colaterais leves foram relatados. Estes consistem principalmente de dores de estômago, dores de estômago e flatulência ( 1 , 27 ).

No entanto, a redução ligeira da dose de inositol pareceu melhorar estes sintomas em alguns estudos ( 1 ).

Suplementos de inositol foram administrados a mulheres grávidas em doses de cerca de 4 gramas por dia, sem efeitos preocupantes ( 11 ).

RESUMO: Inositol é um composto natural com um bom histórico de segurança. Em doses mais elevadas de 12 gramas ou mais, pode ocorrer indisposição estomacal. No entanto, estes sintomas podem ser melhorados reduzindo a dosagem.

Outros possíveis benefícios

O inositol foi examinado para vários outros benefícios para a saúde, incluindo:

  • Perda de peso: Este suplemento pode causar um pequeno grau de perda de peso em mulheres com SOP ( 28 , 29 ).
  • Lipídios no sangue: Algumas melhorias nos lipídios do sangue, como o colesterol, foram relatadas ( 10 , 30 ).
  • Pressão arterial: Vários estudos relataram pequenas reduções na pressão arterial em mulheres com SOP ( 10 , 12 ).

Embora possa haver outros efeitos sobre a saúde do inositol, muitos deles atualmente têm evidências muito limitadas.

RESUMO: Devido a seus muitos papéis no organismo, o inositol pode ter inúmeros efeitos na saúde, incluindo perda de peso e melhorias nos lipídios sangüíneos ou pressão arterial em grupos específicos. Pesquisas futuras podem identificar outros efeitos importantes dessa molécula.

Fontes e Dosagens

O inositol é encontrado em uma variedade de alimentos, mas as maiores concentrações são vistas em feijões , frutas, nozes e grãos.

A quantidade normalmente consumida por dia pode variar de menos de 1 grama até alguns gramas, dependendo dos alimentos que você come ( 26 ).

Embora existam várias formas, inositol em suplementos geralmente se refere à molécula myo-inositol, que compõe mais de 90% do conteúdo de inositol em suas células ( 31 , 32 ).

Estudos com suplementos de inositol usaram quantidades maiores do que as tipicamente encontradas em alimentos, com doses de até 18 gramas por dia ( 1 , 4 ).

Doses para sensibilidade à insulina e fertilidade são geralmente muito menores do que aquelas usadas para condições neurológicas, como transtornos de ansiedade e depressão ( 4 , 13 ).

RESUMO:  Inositol está presente em uma variedade de alimentos em quantidades relativamente pequenas. Existem várias formas de inositol, mas a maioria dos suplementos contém mio-inositol. Doses de suplementos de inositol utilizados nos estudos geralmente variam de 2 a 18 gramas por dia.

RESUMO:

Inositol é um carboidrato que é encontrado naturalmente em seu corpo e certos alimentos.

Ele desempenha muitos papéis em seu corpo, inclusive afetando os níveis de neurotransmissores e a maneira como o corpo lida com a glicose.

Pode ser eficaz para melhorar alguns distúrbios de ansiedade e a sensibilidade do seu corpo à insulina.

Além disso, o inositol parece oferecer vários benefícios para a saúde das mulheres com síndrome dos ovários policísticos (SOP), incluindo a melhora da função menstrual e da fertilidade.

Esta molécula tem um bom histórico de segurança, e poucos efeitos adversos foram observados em doses moderadas e altas.

Devido às suas muitas funções, pesquisas futuras provavelmente continuarão a investigar o significado do inositol para aplicações médicas e de saúde.

Quais os efeitos colaterais associados a suplementação de CREATINA?

A creatina é um dos suplementos mais pesquisados. Estudos com duração de até quatro anos não mostraram quaisquer efeitos negativos ( 8 , 51 ).

Um dos estudos mais abrangentes até o momento mediu 52 marcadores sanguíneos e não encontrou efeitos adversos após 21 meses de suplementação ( 8 ).

Também não há evidências de que isso prejudique o fígado e os rins em pessoas saudáveis ​​que tomam doses normais. Dito isto, as pessoas com problemas hepáticos ou renais pré-existentes devem consultar um nutricionista antes de suplementar ( 8 , 51 , 52 ).

Embora muitas pessoas acreditem que isso possa causar desidratação e cãibras, isso não tem apoio algum segundo as pesquisas. De fato, estudos mostraram que pode reduzir cãibras e desidratação durante exercícios de resistência em altas temperaturas ( 53 , 54 ).