Dr. Vinícius Graton - Complexo UMC / Rua Rafael Marino Neto, 600 - Karaiba, Uberlândia/MG

Uberlândia/MG

Ligue (34)3256-6300

Atendimento das 08:00 às 21:00 - De segunda a sábado

Procedimentos:

1 Consulta Inicial com 2 Avalições por Bioimpenciometria + 3 retornos

Para a sua comodidade e segurança:

Trabalhamos com todos os cartões.

Título

Autem vel eum iriure dolor in hendrerit in vulputate velit esse molestie consequat, vel illum dolore eu feugiat nulla facilisis at vero eros et dolore feugait

SALITRE – VERDADES E MITOS SOBRE A UTILIZAÇÃO

Comenta-se que o salitre engorda promove saciedade em curto tempo, causa perda da libido, entre outros mitos. Na realidade, tudo isso é possível diante aos seus efeitos congestionantes, tóxicos, cancerígenos. Diante à individualidade bioquímica de cada pessoa, o metabolismo sofrerá um efeito: seja o inchaço, inflamações, baixa absorção de nutrientes, estresse mental e físico; que por si só apresentam efeitos semelhantes à engorda, perda de memória, impotência, perda da libido, entre outros. Ao contrário das motivações que a maioria das pessoas relata sobre a utilização do salitre, como por exemplo: diminuir a libido dos funcionários, soldados e presidiários, para que não incorram em atos contra os bons costumes; ou então para que fiquem saciados e comam pouco; é provável que a razão pela utilização do salitre seja para garantir a segurança alimentar e aumentar o sabor de uma comida preparado com ingredientes de péssima procedência. Afinal, a lei é rigorosa em relação à segurança alimentar nas cozinhas industriais e a contratante exige boa aceitação de seu efeito, embora o valor pago por refeição à contratada seja muito baixo.
Portanto, o salitre é mais perigoso do que se possa imaginar. Um alimento orgânico não pode conter salitre.

Técnicas de conservação

O alimento pode sofrer transformação independente da aplicação de calor, algumas técnicas além de transformar o alimento em compostos melhores do ponto de vista digestivo e sensorial, pode mantê-lo conservado com o benefício de manter as características nutricionais e funcionais. São as chamadas técnicas de conservação, que precisam ser avaliadas sob diferentes enfoques.

A utilização de salitre é tão prejudicial quanto à de tantas outras substâncias, como glutamato monossódico, o BHT e o BHA; e métodos, como a irradiação e aplicação de fertilizantes consideradas aditivas ou conservantes. O glutamato monossódico (contém o ácido glutâmico, também encontrado de forma natural, não tóxica, em carnes, shoyu e no misso, melhorando o sabor; o aditivo pode estar associado a distúrbios neurológicos em crianças, além de mal de Alzheimer e Parkinson em adultos; em cobaias esse aditivo esta associado a lesão cerebral, obesidade e degeneração da retina.O BHT e o BHA (com ação antioxidante, previnem a rancificação de óleos e alimentos gordurosos), benzopireno (usado na defumação artificial de carnes, peixes, presuntos e embutidos em geral, também é agente carcinogênico, com relatos de câncer de estômago).(Azevedo,2006)

Há divergências quanto aos impactos de algumas técnicas de conservação, se são capazes de preservar as propriedades nutritivas e aspectos sensoriais. Estudos de Colby, 2000; Kesavan; Swaminathan, 1971; Kilcast, 1994, Webb et al.; 1987 relatam que o valor nutricional do alimento é afetado variavelmente de acordo com a dosagem da radiação. A irradiação destrói vitaminas, 90% da vitamina A na carne de frango, 86% da vitamina B em aveia, e 70% da vitamina C em sucos de fruta. Outros nutrientes ainda são perdidos à medida que aumenta o tempo de estocagem. As proteínas são desnaturadas, as vitaminas A, B12, C, E e K sofrem alterações, gorduras tendem a rancificar e os fatores sensoriais são modificados; além de criar novas substâncias químicas em carnes, o benzeno e formaldeído, de ação carcinogênica.

Alguns alimentos podem conter substâncias tóxicas para sua preservação, que lhes são adicionadas ou está contida em sua própria composição. Podem ser desde o sal ou aditivos e antibióticos.

O salitre é utilizado para aumentar a durabilidade do produto, evitar a contaminação alimentar de origem bacteriana e preservar, além de ressaltar as propriedades sensoriais.

Ele também é muito usado para fazer bombas de fumaça, aumentar a resistência do ouro, compor fertilizantes e para fazer Pólvora. No caso do salitre pode ser ingerido por alimentos que receberam aditivos durante o processamento ou in natura, quando a procedência do alimento não for orgânica, pois muitos fertilizantes são fabricados a base de salitre. Outra forma indireta é pelo consumo de alimentos que absorveram a água contaminada de salitre ou animais que ingeriram esta água, inclusive.

O salitre ou Nitrato de Potássio é extremamente tóxico para a vida aquática, sendo portanto importante conter os derrames acidentais de alcançarem cursos d’água, ralos, esgotos, etc.
O alto consumo destes produtos pode ser prejudicial à saúde, pois as bactérias do intestino convertem os nitratos, como o salitre, em nitritos, que reagem com compostos nitrogenados e transformam-se em nitrosaminas, substâncias potencialmente cancerígenas que também podem causar anomalias fetais. Além disso, ao entrar na corrente sanguínea, o nitrito converte a hemoglobina das células vermelhas do sangue em metahemoglobina, portanto, impede o transporte de oxigênio.

A manipulação e escolha da procedência do alimento devem ser adequadas para minimizar os aspectos prejudiciais à saúde do ecossistema.

Processo químico

O composto químico nitrato de potássio ou nitrato potássico (também conhecido como salitre-do-chile) é um nitrato cuja fórmula é KNO3. Atualmente, a maioria do nitrato potássico vem dos vastos depósitos de nitrato de sódio existentes nos desertos chilenos. O nitrato sódico é purificado e posteriormente colocado para reagir com uma solução de cloreto de potássio, na qual o nitrato potássico obtido, menos solúvel, cristaliza.

É usado pelas indústrias de alimentos que produzem carnes defumadas e embutidos (salsichas, lingüiças, salames, etc.) a fim de evitar a proliferação de bactéria causadora do botulismo, que é uma intoxicação alimentar grave. Serve também para ressaltar a cor e o sabor do alimento.

Vantagens de o salitre ser menos solúvel e com formato cristalizado

Menos sabor salgado, evita hidrólise e preserva mais o sensorial.

Quando se aplica calor seco na carne eliminam-se vapores de água independente da adição de sal. O calor faz com que parte da composição de seus sucos perdidos seja evaporada imediatamente. Em peças menores a adição de sal realmente não interfere na qualidade e no tempo de cozimento. No entanto, em cortes maiores, que necessitam de maior tempo de cozimento, a perda de líquidos provocada pela adição de sal pode comprometer a qualidade do produto, resultando em um produto ressecado e esturricado. Em churrascos o uso de sal grosso serve justamente para substituir o efeito do sal refinado, portanto serve para minimizar a ação de perda de sucos.

O sal refinado apresenta menor granulometria (tamanho) e reage com mais facilidade com as moléculas de água; já o salitre, é menos solúvel, logo não salga em demasia quanto o sal refinado e como se apresenta de forma cristalizada, compromete menos os fatores sensoriais.

A atividade enzimática é expressa em termos da quantidade de substrato que pode ser transformado por unidade de tempo, podendo levar a uma quebra intensa das moléculas de proteínas produzindo textura imprópria, aroma e sabor indesejáveis. As enzimas são, na maioria, solúveis em água e soluções salinas diluídas e, quando em solução, são precipitadas pela adição de sulfato de amônio, álcool ou ácido tricloroacético. São inativadas pelo calor.

Podem formar compostos indesejáveis e desejáveis, logo, o controle das reações enzimáticas é importante.

O salitre também protege o alimento de reações de degradação, como as de origem hidrolítica e oxidativa.

Óleos e gorduras podem sofrer graus variados de reações de degradação. Quanto maior o grau de insaturação maior a suscetibilidade a tais reações. Curas com sal podem, sobretudo em carnes, ativar a lipoxidase, influenciando a oxidação lipídica. A rancidez hidrolítica ocorre durante o processo e o armazenamento de produtos gordurosos e pode ser de natureza química, autolítica ou microbiana. A rancidez oxidativa, mais importante em temperatura ambiente que a hidrolítica, podem ocorrer pelos processos auto-oxidativos, fotoxidativo (oxidação fotossensibilizada) e enzimático.

A rancidez oxidativa resultam em sensoriais indesejáveis (compostos tóxicos, polímeros e compostos cíclicos, perda de algumas vitaminas lipossolúveis e de caroteno) ou desejáveis; os Hidroperóxidos são produtos resultantes da oxidação de ácidos graxos e colesterol, podendo resultar em irritação da mucosa intestinal, diarréia, degeneração hepática, até morte de células; promovem à perda parcial de vitaminas lipossolúveis, a co-oxidação da vitamina C, formação de lipídios oxidados antagonistas de nutrientes essenciais e a destruição parcial de ácidos graxos insaturados essenciais, além de resultarem em produtos secundários como: Malonaldeído, hidroxinonenal e acroleína, no qual estão relacionados ao aparecimento de arterosclerose, diabetes, anemia hemolítica, inflamações, mutagênese e câncer; os Aldeídos e outros componentes voláteis que resultam odores desagradáveis a alimentos protéicos com carnes pré-cozidas com sensoriais de carnes requentada e Formação de complexos entre moléculas de proteínas e lipídios, ou mesmo cisão da molécula de proteína, desnaturando-a e diminuindo sua solubilidade, inibição da atividade enzimática e alteração da textura.

O processo de desnaturação e de hidrólise decorrentes da manipulação e processamento de alimentos surge peptídios e aminoácidos com atividades físico-químicas que, por interações com outros constituintes alimentares ou isoladamente, participam em nível secundário da formação de componentes responsáveis pelo sabor. A desnaturação pode desencadear produtos de sabor amargo, logo, é importante controlar a velocidade destas reações.

Todas as reações que ocorrem no organismo humano são em soluções aquosas, a água é o meio para as reações químicas e bioquímicas. A preservação de um alimento, sua consistência, aspecto e cor geralmente dependem da quantidade de água presente. A água possui uma estrutura molecular que a torna facilmente polar, ou seja, capaz de sofrer uma orientação em um determinado campo eletromagnético, portanto, é um veículo importante para ocorrência de reações químicas e bioquímicas.

A água reage com diversos componentes alimentares: proteínas, lipídios,carboidratos e comprometem o “flavor” e a textura, valor nutritivo e estrutura molecular. Alimentos com pouco teor de água são menos perigosos sob o enfoque de segurança alimentar, no entanto, podem passar a adquirir aspectos sensoriais indesejáveis. Para garantir que produto processado desidratado seja mais bem aceito pelo consumidor, ao processo de solubilização* é adicionado substâncias que garantam melhor coloração, consistência, aroma, visual e durabilidade, inclusive, evitando processo de desnaturação e hidrólise, por exemplo. Quando atuam como solvente e hidratante, as moléculas de água dissolvem grande número de substâncias alimentares por meio da interação química entre moléculas do solvente (água) e moléculas do soluto (sal). A este processo dá se o nome de solubilização.

Nitrato de sódio, Cloreto de potássio e Nitrosaminas

Os nitratos (usados em carnes congeladas para manter a cor, provocam náuseas e irritação gástrica, além de mascarar o processo de deterioração, ademais, os nitratos são convertidos em nitrosaminas, substância comprovadamente cancerígena)

Ação cancerígena

A adição de nitritos, para preservação das características sensoriais e aumento da durabilidade; os nitritos ao se combinarem com as aminas produzidas no cozimento formam nitrosaminas; no cozimento de suas proteínas a pirolise libera aminas aromáticas heterociclicas. A flora bacteriana do colón produz composto n-nitrosos com relação dose-resposta ao consumo de carne. Nitrosaminas, aminas aromáticas heterociclicas e compostos n-nitrosos são iniciadores do câncer causando lesão no DNA

Glutamato monossódico

Estudos sobre o glutamato monossódico revelou que ele é mais do que um simples tempero capaz de potencializar o gosto, razão por ser utilizado pela indústria de alimentos. O glutamato monossódico possui, além de seu gasto salgado, um sabor chamado de unami, distinto dos outros sabores reconhecidos como doce, ácido, amargo.

Recente pesquisa em ratos verificou que o gosto do glutamato monossódico, quando acompanha uma refeição completa, provoca modificações metabólicas importantes; a termogênese induzida pela alimentação aumenta muito mais rápida a ação de percepção gustativa, agindo como se fosse uma espécie de sacarina das proteínas, induzindo o organismo ao erro pelo seu sabor. Em outras palavras uma alimentação com maiores teores de glutamato seria confundida com uma alimentação protéica.

O impacto da salga deve ser avaliado com atenção

Quanto maior a matéria seca e menor o teor de água, menos proliferação bacteriana poderá sofrer, motivo pela maior durabilidade. Em métodos de desidratação são perdidas principalmente as vitaminas C, entretanto, como são processos de eliminação de água e umidade, altera-se o ph e elimina-se enzimas protéicas, que podem ser prejudiciais à saúde, ao mesmo tempo, outras vitaminas são conservadas se não houver exposição de luz solar no processo e no armazenamento, outras poderão sofrer perda ao contato com refrigeração. Entretanto, cumpre salientar que é preciso muito cuidado na manipulação e na avaliação dos pontos críticos, sobretudo em métodos artesanais, como exposição ao sol e vento e o local onde isso ocorre. Algumas regiões brasileiras, a secagem de camarões é feita em telhados de casas. Outro fator a ser levado em consideração é o teor de eliminação de água, pois afetará na durabilidade; nestes casos, o controle sanitário é de suma importância, por outro lado, o processo industrial utiliza aditivos e conservantes químicos sintéticos altamente carcinogênicos.

Pensava-se que o sal possuía o poder de eliminar o sabor desagradável de alimentos, além de saber que ele pode mascarar o sabor de uma preparação ou não sofrer efeito algum. A prática comum de se adicionar pitadas de sal em preparações doces e neutras, inclusive, serve apenas para intensificar e acentuar um sabor, mesmo que não identificado.

Estudos sobre o cloreto de sódio revelou que o sal possui o poder de eliminar seletivamente o sabor amargo e, provavelmente outros sabores desagradáveis, aumentando ao mesmo tempo a intensidade de sabores agradáveis. O sal não elimina o gosto, mas apenas o modifica. Alimentos amargos e outros tipos de alimentos, também possuem doçura natural, o que faz com que a doçura seja mais pronunciada, tais como hortaliças amargas, a carne ou alimentos gordurosos. Algumas pessoas adicionam sal no coador de café para minimizar eventual amargor.

Equipe Portal Orgânico
Fonte: Chef Renato Caleffi

Anúncios
Website: nutricaosadia.com

Dr. Vinícius Graton é Nutricionista atuante na Nutrição Clínica & Nutrição Esportiva. Em Uberlândia/MG atende na Clínica Renova - Rua Bernardo Guimarães 417 - Bairro Fundinho. Contato (34) 3255-1237 ou 3231-8655. Para Assessoria Online envie WhatsApp (34)98407-3617

Deixe uma resposta

%d blogueiros gostam disto: