Anúncios

Resposta ao artigo da revista Veja por Elaine de Azevedo

REVISTA VEJA E A AVALIAÇÃO DOS ALIMENTOS VERDES

A pedido dos jornalistas Marcos Todeschini e Milena Emilão fui contatada para avaliar alguns produtos orgânicos para o Guia Veja da edição 2069, publicado semanalmente na Revista Veja. A seção Guia Veja foca normalmente na qualidade de alimentos que são avaliados por um grupo de profissionais da área da Nutrição e um chef de cozinha.

A reportagem, como todas que abordam o tema dos orgânicos na mídia não especializada, parece superficial e tendenciosa e não levou em consideração as questões técnicas que eu apresentei e que envolvem o estudo da qualidade dos alimentos orgânicos. Além do fato de colocar meu nome numa reportagem que não considerou as minhas colocações como nutricionista especializada em alimentos orgânicos, a revista veiculou informações incoerentes que revelam desconhecimento do tema analisado.

A primeira pergunta possível de se fazer com base na colocação inicial da entrevista que afirma que “a ciência ainda não chegou a uma conclusão de que os orgânicos têm vantagens”, seria: qual ciência? Vivemos em uma época em que se não se admite mais uma ciência moderna legitimadora de consensos, mas muitas ciências influenciadas por divisões políticas, divisões cientificas entre visões reducionistas e sistêmicas da ciência, interesses das instituições patrocinadoras, vínculos das autoridades cientificas e divisões institucionais. É muito claro que uma ciência que afirma que não há pesquisas conclusivas sobre a qualidade dos alimentos orgânicos ou sobre os riscos dos transgênicos, por exemplo, está fundamentada numa visão reducionista da ciência, mantida por grandes corporações de sementes e insumos agrícolas e pelos interesses da indústria alimentar.

A incontestável superioridade do alimento orgânico, já explorada em estudos disponibilizados aos repórteres, se baseia essencialmente na qualidade da gordura dos produtos de origem animal (tais produtos não foram apresentados na entrevista final, apesar ter sido pedido inicialmente a análise de um iogurte de origem orgânica) e no teor aumentado de fitoquímicos e micronutrientes dos produtos orgânicos.

O fato é que o conceito de valor nutricional que embasou a análise dos produtos, de caráter calórico-quantitativo, enfoca essencialmente os macronutrientes (carboidratos, gorduras e…
LEIA O ARTIGO NA INTEGRA, CLIQUE AQUI.

Anúncios

Deixe uma resposta

%d blogueiros gostam disto: