Anúncios

Qual deve ser a ingestão protéica diária de um indivíduo sedentário, de um fisiculturista e de um atleta adolescente?

Certamente que as recomendações de ingestao protéica são diferentes conforme o tipo de atividade física e as características do praticante. Quando se fala em recomendação protéica, é necessário avaliar os seguintes fatores: composição e peso corpóreo, velocidade de crescimento, tipo e nível de atividade física, ingestão energética e presença de doença.

Para pessoas sedentárias, 0,8 g proteína/kg peso corpóreo/dia são suficientes. Os fisiculturistas, com o objetivo de aumentar a massa muscular, devem ingerir 1,4 a 1,8 g proteína/kg peso corpóreo/dia, quantidade esta que pode ser facilmente alcançada através da ingestão de alimentos tradicionais. Atletas adolescentes, considerando os requerimentos nutricionais para o crescimento combinados com a atividade física, devem ingerir 1,8 a 2,0 g proteína/kg peso corpóreo/dia.

Mais do que fornecer as recomendações protéicas diárias para estes grupos é necessário fazer um alerta: a maior parte dos atletas excede esses valores e não está isenta de desenvolver complicações relacionadas ao excesso de ingestão protéica: desidratação, perda excessiva de cálcio na urina e ingestão inadequada de carboidratos.

Referências bibliográficas
1. Carroll C. Protein and exercise. In: Rosenbloom C, ed. Sports Nutrition: A Guide for the Professional Working with Active People. 3rd ed. Chicago: The American Dietetic Association; 2000.
2. Lemon P. Is increased dietary protein necessary or beneficial for individuals with a physically active lifestyle? Nutrition Reviews 1996; 54:S169-S175.
3. Kleiner S. Bodybuilding. In: In: Rosenbloom C, ed. Sports Nutrition: A Guide for the Professional Working with Active People. 3rd ed. Chicago: The American Dietetic Association; 2000.
4. Chandler R, Byrne H, Patterson J, Ivy J. Dietary supplements affect the anabolic hormones after weight training exercise. J Appl Physiol 1994; 76: 839-845.
5. Beals K, Manore M. Nutritional status of female athletes with subclinical eating disorders. J Am Diet Assoc 1998; 98:419-425.

Anúncios

Deixe uma resposta

%d blogueiros gostam disto: