Anúncios

O que são ácidos graxos trans?

Os ácidos graxos (AG) insaturados recebem a denominação de trans quando a configuração estrutural dos dois átomos de hidrogênio ligados aos átomos de carbono, onde está localizada a dupla ligação, está em lados opostos da cadeia carbônica. Normalmente, não é essa a configuração que se encontra nos sistemas biológicos de mamíferos, e sim a configuração estrutural cis, em que os dois átomos de hidrogênio ligados aos átomos de carbono, formando a dupla ligação, encontram-se do mesmo lado. Veja na figura abaixo a diferença da estrutura química entre ácidos graxos trans e cis.

Os AG trans são originados pelo processo de hidrogenação, onde ocorre a eliminação de duplas ligações da cadeia de carbono dos AG e inversão da disposição dos átomos de hidrogênio, modificando a estrutura do ácido graxo e dando assim origem aos ácidos graxos trans. Esta reação é realizada para converter óleos vegetais líquidos em gorduras sólidas ou semi-sólidas, sendo utilizada na fabricação de margarinas, gordura para fritura, massas, sorvetes, bolos, salgadinhos de pacote, biscoitos, batata-frita, dentre outros alimentos industrializados. Estes AG também estão presentes, em pequena quantidade, em alimentos de origem animal, como carne e leite.

A pequena modificação estrutural dos AG cis e trans causa uma grande diferença na elaboração do produto alimentício. Os AG trans possuem uma conformação linear e mais rígida, fazendo com que as moléculas fiquem mais próximas umas das outras, aumentando a interação entre elas. Com isso, esses ácidos graxos são termodinamicamente mais estáveis e resistentes aos processos oxidativos, à deterioração e a modificações de sabor, aumentando, assim, o prazo de validade de alguns produtos industrializados. Além disso, seu ponto de fusão é maior, significando um menor tempo de cozimento.

Já os AG cis possuem uma configuração estrutural em que os dois átomos de hidrogênio, ligados aos átomos de carbono onde está localizada a dupla ligação, encontram-se do mesmo lado. Dessa maneira, as moléculas dos AG encontram-se de forma não-linear, ajustando-se mal umas às outras e, por conseqüência, o ponto de fusão é mais baixo.

Porém o alto consumo de produtos industrializados que contêm AG trans está associado com maior incidência de doenças cardíacas, por aumentar a concentração plasmática da LDL (lipoproteína de baixa densidade) e triglicérides, e diminuir os níveis plasmáticos de HDL (lipoproteína de alta densidade), dentre outros malefícios.

Assim, diante da orientação dos profissionais de saúde de redução na ingestão desses ácidos graxos, os consumidores poderão verificar nos rótulos dos alimentos a quantidade especificada desse nutriente. Esta é uma exigência da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa), à qual as empresas deverão se adequar até 31 de julho de 2006, e que foi publicada na Resolução RDC n.º 360, de 23 de dezembro de 2003. A porcentagem do valor diário de ingestão (%VD) de gorduras trans não será declarada porque não existe uma recomendação diária para a ingestão dessas gorduras. A orientação é que seja consumido o mínimo possível.

Bibliografia (s)

Ministério da Saúde. Agência Nacional de Vigilância Sanitária. Boletim Alimentos e Alimentação – Destaques da Internet. Disponível em: http://www.anvisa.gov.br/alimentos/alimentacao/2006/03_06.htm#legis. Acessado em 29/03/2006.

Martin CA, Matshushita M, Souza NE. Trans fatty acids: nutritional implications and sources in the diet. Rev. Nutr.2004;17(3):351-359. Disponível em:
http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1415-52732004000300009. Acessado em 29/03/2006.

Chiara VL, Sichieri R, Carvalho TSF. Trans fatty acids of some foods consumed in Rio de Janeiro, Brazil. Rev Nutr.2003; 16(2):227-233. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1415-52732003000200010. Acessado em 29/03/2006.

Ministério da Saúde. Agência Nacional de Vigilância Sanitária. FAQ – Sistema de Perguntas e Respostas. Disponível em: http://www.anvisa.gov.br/faqdinamica/asp/usuario.asp?usersecoes=28&userassunto=104. Acessado em 30/03/2006.

Agência Nacional de Vigilância Sanitária. Legislação em Vigilância Sanitária. Resolução RDC nº 360, de 23 de dezembro de 2003. Aprova Regulamento Técnico sobre Rotulagem Nutricional de Alimentos Embalados, tornando obrigatória a rotulagem nutricional. Disponível em: http://e-legis.anvisa.gov.br/leisref/public/showAct.php?id=9059&word=. Acessado em 29/03/2006.

U.S. Food and Drug Administration. Center for Food Safety and Applied Nutrition. Food Labeling and Nutrition. Disponível em: http://www.cfsan.fda.gov/%7Edms/lab-cat.html#transfat. Acessado em 29/03/2006.

SABARENSE, Céphora Maria e MANCINI FILHO, Jorge. Efeito da gordura vegetal parcialmente hidrogenada sobre a incorporação de ácidos graxos trans em tecidos de ratos. Rev. Nutr., out./dez. 2003, vol.16, no.4, p.399-407. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1415-52732003000400003&lng=pt&nrm=iso. Acessado em 29/03/2006.

Rotulagem Nutricional Obrigatória. Manual de Orientação às Indústrias de Alimentos.
2a versão atualizada. Disponível em: http://www.anvisa.gov.br/rotulo/manual_industria.pdf. Acessado em 29/03/2006.

Chiara VL, Silva R, Jorge R, et al. Trans fatty acids: cardiovascular diseases and mother-child health. Rev Nutr. 2002;15(3):341-349. Disponível em:
http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1415-52732002000300010. Acessado em 30/03/2006.

Anúncios

Deixe uma resposta

%d blogueiros gostam disto: