Dr. Vinícius Graton - Complexo UMC / Rua Rafael Marino Neto, 600 - Karaiba, Uberlândia/MG

Uberlândia/MG

Ligue (34)3256-6300

Atendimento das 08:00 às 21:00 - De segunda a sábado

Procedimentos:

1 Consulta Inicial com 2 Avalições por Bioimpenciometria + 3 retornos

Para a sua comodidade e segurança:

Trabalhamos com todos os cartões.

Título

Autem vel eum iriure dolor in hendrerit in vulputate velit esse molestie consequat, vel illum dolore eu feugiat nulla facilisis at vero eros et dolore feugait

Manter os ovos em boas condições

Os ovos podem ser contaminados depois de postos ou antes da postura, dentro do oviduto da ave. A sua contaminação pode-se dar por gostos, cheiros, germes ou vermes.

Um dos perigos de contaminação de ovos, tornando-os perigosos para a alimentação, reside em fornecer às galinhas poedeiras alimentos estragados ou fermentados, principalmente carnes, peixes ou resíduos alimentares.

Numa fase posterior, ainda dentro do oviduto da ave, e antes de receberem a camada calcária da casca, os ovos podem ser contaminados por germes que, por meio dele, causam doenças, tanto às aves quanto ao homem. A título de exemplo, basta referir que em cada grama de casca são encontrados de 400 a 1,6 milhões de germes.

Ao nível da conservação, e como já referimos, é preciso evitar que os ovos permaneçam em locais onde se encontrem substâncias que lhes possam transmitir gosto ou cheiro desagradáveis.

Por serem um óptimo meio de cultura de bactérias e vírus, as claras ou gemas, não devem ser conservadas durante dias, mesmo nos frigoríficos, pois há o perigo de se desenvolverem bactérias perigosas.

Pelo que foi exposto, fica bem claro que qualquer ovo pode ser contaminado, antes ou depois da postura, o que ocasiona alterações no seu conteúdo, a sua rápida deterioração ou o transforma em um transmissor de doenças ou vermes.

Procedimentos a ter em conta na recepção dos ovos

Na recepção dos ovos é necessário ter em conta uma série de procedimentos, nomeadamente verificar se:

  • o veículo de transporte está limpo;
  • os fornecedores têm um aspecto limpo e asseado;
  • a data de validade está ultrapassada ou inadequada à data de consumo;
  • as embalagens possuem as marcações legalmente obrigatórias;
  • as embalagens apresentam-se, interior e exteriormente, limpas, secas e em bom estado de conservação;
  • os ovos têm a casca partida, rachada ou suja por fezes, terra ou outras matérias estranhas.

Casca em más condições favorece contaminações

O ovo, devido à sua estrutura física e à casca coberta por uma fina camada protectora, encontra-se relativamente protegido de contaminantes. Contudo, quando a porosidade da casca é fragilizada os microrganismos podem facilmente passar para o seu interior.

Sendo assim, os ovos devem ser rejeitados sempre que a casca:

  • Esteja rachada ou partida;
  • Esteja suja;
  • Possua manchas.

A cor da casca e da gema não determinam em nada a maior ou menor qualidade do ovo, dependendo aquelas do tipo ou raça do animal e da alimentação deste, respectivamente.

Cuidados na conservação dos ovos

Os ovos possuem um período de conservação de duas a três semanas, devendo ser mantidos na embalagem de forma a controlar e respeitar o prazo de validade.

Por todos os factores já expostos, a sua conservação deve obedecer às seguintes regras:

  • Colocá-los em local fresco, seco e abrigado da luz, uma vez que esta pode alterar as suas características;
  • Colocar os ovos com a extremidade mais estreita para baixo;
  • Armazenar os ovos longe dos alimentos de cheiro intenso (peixe, queijo, etc.);
  • Caso a preparação culinária a que destina não utilizar a clara ou a gema, estas podem conservar-se no frigorífico durante 12 e 24 horas, respectivamente.
  • O ovo cozido com casca deve ser consumido no prazo de 4 dias, e 2 dias se estiver sem casca.
    Como o ovo é um alimento que se encontra facilmente e possui um tempo de conservação considerável, a sua congelação, embora possível, não constitui uma prática comum.

Recomendações na confecção dos ovos

Como já referimos, a casca do ovo é porosa, o que significa que existe troca de substâncias entre este e o meio ambiente em que se encontra. Assim, ao preparar o ovo deve:

  • Ter as mãos lavadas para não contaminar a casca;
  • Remover, com um pano seco, toda a sujidade (caso exista);
  • Lavar os ovos, apenas e somente, imediatamente antes da sua utilização;
  • Partir o ovo com um utensílio diferente daquele que vai utilizar na preparação/confecção;
  • Abrir o ovo para um recipiente vazio e diferente daquele que vai utilizar para a preparação/confecção;
  • Após a quebra dos ovos, colocar imediatamente as cascas no recipiente do lixo para não ficarem esquecidas em cima da bancada.
  • Lavar e desinfectar todos os recipientes utilizados durante a operação;
  • Após manipulação dos ovos, deve lavar as mãos com água e sabão líquido desinfectante, uma vez que a casca pode estar contaminada.

Como saber se um ovo está fresco

Dos vários métodos utilizados para analisar a frescura dos ovos, o mais conhecido é mergulhar o ovo em água. Os ovos frescos são os que ficam no fundo do recipiente.

Existem outras formas de proceder a esta análise, como, por exemplo, abanar o ovo, sendo que, se este estiver fresco, não vai chocalhar.

Já nos ovos cozidos, se a gema não se apresentar centrada comparativamente à clara, significa que o ovo não é fresco.

Nos ovos crus, depois de abertos e colocados numa superfície lisa, verifique se a gema é alta e consistente e se a clara está concentrada à volta dela. Se sim, está na presença de um ovo fresco.

Tempos de confecção aconselhados

Apesar de apreciado por alguns, o ovo cru ou mal cozido apresenta alguns riscos para a saúde.

A presença de uma bactéria em particular, a salmonella, pode provocar toxinfecções alimentares, por vezes mortais, pelo que esta prática deve ser evitada, sujeitando o ovo a um intervalo de tempo/temperatura de confecção que permita eliminar aquela bactéria.

Conheça os tempos de confecção aconselhados na tabela que se segue:
NOTA: A salmonella é destruída a 65ºC durante 10 minutos. Contudo desenvolve-se bem a temperaturas entre os 5ºC e os 47ºC e é sensível ao frio.

Neste sentido, devem-se considerar algumas regras:

  • Se for preparar pratos quentes deve levar a cozedura a uma temperatura de, pelo menos, 65ºC, para poder eliminar os microrganismos que existam;
  • O arrefecimento dos pratos deve ser feito num período de 2 horas, de uma temperatura de 65ºC para 4ºC;
  • Os produtos confeccionados que não sejam consumidos no próprio dia devem ser armazenados no frio a uma temperatura compreendida entre 1ºC e 4ºC.

Para além de mais seguro, o ovo bem confeccionado tem ainda a vantagem de ser mais digestível, como pode observar na tabela:

Seguindo a tabela, se tem problemas relacionados com a digestão, o melhor é optar mesmo pelos ovos cozidos!

Texto de Marta Gonçalves, do Gabinete Técnico Alimentar da ARESP
Fotografia de Miguel Fernandes

Anúncios
Website: nutricaosadia.com

Dr. Vinícius Graton é Nutricionista atuante na Nutrição Clínica & Nutrição Esportiva. Em Uberlândia/MG atende na Clínica Renova - Rua Bernardo Guimarães 417 - Bairro Fundinho. Contato (34) 3255-1237 ou 3231-8655. Para Assessoria Online envie WhatsApp (34)98407-3617

Deixe uma resposta

%d blogueiros gostam disto: