Dr. Vinícius Graton - Complexo UMC / Rua Rafael Marino Neto, 600 - Karaiba, Uberlândia/MG

Uberlândia/MG

Ligue (34)3256-6300

Atendimento das 08:00 às 21:00 - De segunda a sábado

Procedimentos:

1 Consulta Inicial com 2 Avalições por Bioimpenciometria + 3 retornos

Para a sua comodidade e segurança:

Trabalhamos com todos os cartões.

Título

Autem vel eum iriure dolor in hendrerit in vulputate velit esse molestie consequat, vel illum dolore eu feugiat nulla facilisis at vero eros et dolore feugait

DIETA MEDITERRÂNEA CAUSA BENEFÍCIOS AO MICROBIONA INTESTINAL

 

Um estudo publicado na revista Gut demonstrou que o alto consumo de gêneros alimentícios consistentes com os consumidos na dieta mediterrânea estão associados com perfis metabolômicos benéficos relacionados com o microbioma intestinal.

Foram recrutados para o estudo 153 indivíduos adeptos de dietas onívora, vegetariana e vegana (vegetariana restrita). Os participantes foram orientados a registrar e pesar a ingestão de alimentos durante 7 dias, e colher amostras de fezes e urina.

Os resultados demonstraram associações significativas entre o consumo de dietas à base de vegetais e aumento dos níveis de ácidos graxos de cadeia curta (AGCC) nas fezes. Além disso, o filo Bacteroidetes foi mais abundante em vegetarianos e veganos, em comparação com onívoros (p <0,05), e a maioria dos onívoros apresentaram uma razão maior entre Firmicutes e Bacteroidetes (F/B).

Os níveis fecais dos AGCC butirato, ácido acético e ácido propanóico foram significativamente correlacionados com consumo de frutas, vegetais e leguminosas (p <0,05), bem como o consumo de fibras totais (p <0,001). Os indivíduos com padrões alimentares mais consistentes com a dieta mediterrânea, também apresentaram altos níveis de butirato, ácido acético e ácido propanoico.

Os autores afirmam que as bactérias do filo Firmicutes são capazes de extrair mais calorias dos alimentos, aumentando assim a absorção calórica e o risco de obesidade. Por outro lado, as do filo Bacteroidetes, são capazes de transformar amidos vegetais e fibras em AGCC. O consumo de alimentos ricos em fibras é capaz de melhorar a proporção F/B. Os AGCC, especificamente o butirato é fonte de combustível predominante para os enterócitos, além de ser considerado anti-inflamatório e anti-cancerígeno.

Os resultados demonstraram também que, em comparação com onívoros, os vegetarianos e veganos e aqueles com dieta semelhante à mediterrânea, tinham níveis significativamente mais baixos de n-óxido de trimetilamina (TMAO) (p <0,0001). Os autores explicam que altos níveis sanguíneos de TMAO são um fator de risco emergente para doenças cardiovasculares devido à promoção da aterosclerose.

“Este estudo demonstrou uma forte ligação entre um padrão alimentar mediterrâneo e níveis de AGCC benéficos. Além disso, demonstrou que os vegetarianos, veganos, e aqueles com hábitos alimentares mais consistentes com os da dieta mediterrânea, apresentaram os mais baixos níveis de TMAO”, concluem os autores. “Estes dados suportam a recomendação clínica de dietas com alimentos à base de vegetais ricos em fibras integrais”, afirmam.

Referência(s)

De Filippis F, Pellegrini N, Vannini L, Jeffery IB, La Storia A, Laghi L, et al. High-level adherence to a Mediterranean diet beneficially impacts the gut microbiota and associated metabolome. Gut. 2015

16

Piramide-Alimentar-Mediterrânea

DIETA-MEDITERRNEA-900 (1)piramide
 

Anúncios
Website: nutricaosadia.com

Dr. Vinícius Graton é Nutricionista atuante na Nutrição Clínica & Nutrição Esportiva. Em Uberlândia/MG atende na Clínica Renova - Rua Bernardo Guimarães 417 - Bairro Fundinho. Contato (34) 3255-1237 ou 3231-8655. Para Assessoria Online envie WhatsApp (34)98407-3617

Deixe uma resposta

%d blogueiros gostam disto: