DHA ou Ácido docosahexaenóico é um ácido graxo poliinsaturado Ômega-3. É um ácido graxo essencial. Recebe esse nome, pois não é produzido pelo nosso organismo, devendo ser adquirido através da alimentação e da suplementação. Os ácidos graxos poliinsaturados Ômegas 3 (EPA e DHA) são essenciais para todas as células do nosso corpo, pois exercem funções importantes ao nosso organismo, como: o aumento de metabolismo e do crescimento muscular, a produção de energia, o transporte de oxigênio e o crescimento normal celular, proporcionando as funções nervosas adequadas e a regulação hormonal.

O DHA tem importante função na formação, desenvolvimento e funcionamento do cérebro e retina, sendo predominante na maioria das membranas celulares desses órgãos. Por ser insaturado, O DHA atua influenciando as propriedades físicas das membranas cerebrais, as características dos seus receptores, as interações celulares e a atividade enzimática. Com o envelhecimento do indivíduo, há um aumento do estresse oxidativo, o qual reduz os níveis de DHA e ácido araquidônico no cérebro. Esse processo resulta em um aumento na proporção de colesterol no cérebro e ocorre em maior intensidade nas doenças de Alzheimer, Parkinson e na esclerose lateral amiotrófica.
Ele exerce um papel importante no desenvolvimento fetal e infantil durante a gravidez e durante a amamentação.
Durante a gravidez, o DHA atua no sistema nervoso e é particularmente importante no terceiro trimestre de gestação, pois nesse período ocorre um crescimento significativo do cérebro.

O feto não pode produzir o DHA e deve obter este nutriente vital através da placenta durante a gravidez e do leite materno após o seu nascimento.

DHA também fornece importantes benefícios para a mãe e por esse fato sugere-se a suplementação de DHA durante a gravidez podendo ajudar a prolongar a gestação e contribuindo para a saúde emocional da mãe. Durante a amamentação as mulheres devem consumir uma dieta saudável, incluindo nutrientes importantes para a sua saúde e a saúde de seu bebê. A maioria das mulheres não obtém DHA suficiente em sua alimentação. As principais fontes de DHA são os peixes de águas frias e profundas, um nutriente que não é consumido diariamente em quantidades suficientes e por esse motivo deve ser realizada a suplementação.

Ácido docosahexaenóico (DHA) é um ácido graxo de total importância para a manutenção da saúde em todas as fases da nossa vida, sendo uma gordura importante no cérebro, nos olhos e na saúde do coração, proporcionando níveis saudáveis de Triglicerídeos e Colesterol.

O DHA é um ácido graxo de extrema importância desde o nosso nascimento para o desenvolvimento do cérebro e olhos. E, continua a apoiar cérebro e função ocular ao longo da vida. O fato é que o DHA é uma gordura estrutural e funcional encontrado no cérebro e na retina. A ingestão de DHA tem sido associada com um risco diminuído de deterioração mental associado ao envelhecimento.

A consciência da importância do DHA continua a crescer e mais atenção tem sido dada para o fato de que os adultos podem precisar complementar sua alimentação diária com DHA. A alimentação atual é deficiente de diversos nutrientes e as pessoas estão se conscientizando da importância de incluir o DHA na sua rotina diária e a inclusão de DHA em certos alimentos fortificados e suplementos alimentares está se tornando mais fácil para as pessoas consumirem este nutriente tão importante em suas dietas diariamente.

O ideal é consumir suplementos nutricionais de origens confiáveis, principalmente que sejam isentos de metais pesados, inclusive livre de mercúrio.

 

Referências Bibliográficas:
1. Salem N Jr, et al. Mechanisms of action of docosahexaenoic acid in the nervous system. Lipids, 2001. 36:945-59.
2. Lauritzen L, et al.The essentiality of long chain n-3 fatty acids in relation to development and function of the brain and
retina. Prog Lipid Res, 2001. 40:1-94. (Calculated using Table 1 data. 22:6n-3/Total n-3)
3. Heude B, et al. Cognitive decline and fatty acid composition of erythrocyte membranes – The EVA Study. Am J Clin Nutr, 2003.
77:803-8.
4. Whalley LJ, et al. Cognitive aging, childhood intelligence, and the use of food supplements: possible involvement of n-3 fatty
acids. Am J Clin Nutr, 2004. 80:1650-7.
5. Morris MC, et al. Consumption of fish and n-3 fatty acids and risk of incident Alzheimer disease. Arch Neurol, 2003. 60:940-6.
6. Morris MC, et al. Fish consumption and cognitive decline with age in a large community study. Arch Neurol, 2005. 62:1849-53.
7. Schaefer E, et al. Plasma phosphatidylcholine docosahexaenoic acid content and risk of dementia and Alzheimer disease:
the Framingham Heart Study. Arch Neurol, 2006. 63:1545-50.
references:
8. Hogstrom M, et al. n-3 Fatty acids are positively associated with peak bone mineral density and bone accrual in healthy men:
the NO2 Study. Am J Clin Nutr, 2007. 85:803-7.
9. Schwellenbach LJ, et al.The triglyceride-lowering effects of a modest dose of docosahexaenoic acid alone versus in
combination with low dose eicosapentaenoic acid in patients with coronary artery disease and elevated triglycerides.
J Am Coll Nutr, 2006. 25:480-85.
10. He KA, et al.The puzzle of dietary fat intake and risk of ischemic stroke:a brief review of epidemiologic data. J Am Diet Assoc,
2007. 107:287-95.
11. Wang C, et al. n-3 Fatty acids from fish or fish-oil supplements, but not from alpha-linolenic acid, benefit cardiovascular
disease outcomes in primary- and secondary-prevention studies: a systematic review. Am J Clin Nutr, 2006. 84:5-17.

Anúncios

Deixe uma resposta

%d blogueiros gostam disto: